Venda de espumantes nacionais deve crescer 10% com as festas de fim de ano

De acordo com o Ibravin, se a expectativa for confirmada, devem ser comercializados mais de 11 milhões de litros da bebida nos quatro últimos meses de 2014

por Da redação com assessorias 06/09/2014 09:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press
Ano Novo e Natal são as datas festivas que mais combinam com os espumantes, e os rótulos nacionais ganham cada vez mais espaço nas mesas (foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
A perspectiva do setor vitivinícola é que o total de vendas de espumantes no último quadrimestre deste ano seja 10% maior do que o registrado no mesmo período de 2013. Se o volume projetado for atingido, devem ser comercializados mais de 11 milhões litros da bebida ícone das festas de final de ano. Nos últimos quatro meses do ano passado, foram vendidos 10,2 milhões de litros do produto, o que significou um crescimento de 7,88% em relação a 2012. Já as vendas do suco de uva 100% devem seguir o ritmo de crescimento dos últimos anos e registrar cerca de 20% de aumento em relação ao mesmo período do último ano, quando foram vendidos 28,8 milhões de litros.

O tradicional crescimento de vendas de espumante neste ano é impulsionado pelas premiações em concursos importantes e por avaliações de críticos de renome internacional. Destaque para a análise do especialista inglês Steven Spurrier, idealizador do lendário "julgamento de Paris", que classificou os rótulos brasileiros como os melhores do hemisfério sul durante evento ocorrido no mês de abril na cidade de São Paulo.

Para o Dirceu Scottá, vice-presidente do conselho deliberativo do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), o aperfeiçoamento na produção da bebida, no Brasil, é um dos principais motivos do sucesso de nossos rótulos. "Ao provar os espumantes brasileiros, das mais diversas vinícolas, é possível perceber o alto nível e padrão na qualidade", elogia.

Além disso, o espumante, tradicionalmente, é uma opção de presente muito usada nas empresas, já que, principalmente na região sul e sudeste, é um item básico nas cestas de fim de ano. "Esse aquecimento nas vendas, principalmente de espumantes e sucos de uva, ajuda a popularizar os produtos e incentivar para que o consumo se estenda para outros períodos do ano", avalia Diego Bertolini, gerente de promoção do Ibravin.

Como foi dito pelo gerente do instituto, o suco de uva 100% também tem conquistado o mercado interno, e passou a fazer parte do cotidiano das famílias em diversas regiões do país. Esse produto vem apresentando alta nas vendas há cerca de cinco anos consecutivos, e, de acordo com o Ibravin, também deve ser um dos destaques do mercado de vitivinicultura no último quadrimestre.

Segundo Dirceu Scottá, o produto tem alto grau competitivo em função das características particulares das regiões produtoras, que utilizam uvas americanas como a isabel, a bordô e a concord. "Os turistas estrangeiros ficam impressionados com a qualidade e o sabor particular de nossos sucos", observa.

Sobre o desempenho geral do setor, o vice-presidente do Ibravin afirma que o crescimento deve ficar em torno de 5% e a venda de vinhos finos, por exemplo, deverá ter performance semelhante à registrada em 2013, quando foram comercializados 6,7 milhões de litros no período de setembro a dezembro.

Últimas notícias

Comentários