Uma taça de vinho por dia ajuda na visão, segundo estudo americano

A pesquisa foi realizada durante 20 anos e constatou que as pessoas que consumiam a bebida regularmente apresentaram menos problemas oculares

por Da redação com assessorias 04/05/2015 14:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
De acordo com o especialista, como o vinho ajuda a melhorar a circulação e a pressão sanguínea, acaba favorecendo também a saúde dos olhos (foto: Pixabay)
Muito já se falou sobre os benefícios ao coração de se tomar uma taça de vinho diariamente. Estudos indicam que esse hábito pode aumentar os níveis do bom colesterol e proteger as artérias – embora não seja indicado para gestantes, pessoas diabéticas, hipertensas ou com tendência ao alcoolismo. Agora, um novo estudo realizado na Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, sugere que o consumo moderado de vinho pode reduzir o risco de deficiência visual a longo prazo.

Pesquisadores analisaram dados de seis mil pessoas de 43 a 84 anos durante um período de 20 anos, levando em conta o estilo de vida e os hábitos como fumar, beber e se exercitar. Quando se concentraram no consumo de vinho, detectaram que 7,8% dos abstêmios desenvolveram doenças oculares contra 2,7% daqueles que consumiam vinho regularmente e 4% dos que ingeriam a bebida ocasionalmente.

Na opinião do médico oftalmologista Renato Neves, do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, é importante considerar esse tipo de estudo com cautela. "Por algum motivo, uma taça de vinho tinto por dia parece contribuir de fato com a saúde em geral. Talvez por sua ação antioxidante, através dos flavonoides e do resveratrol [polifenol encontrado no vinho tinto], que também está envolvido em estudos de prevenção contra alguns tipos de câncer. Com relação à saúde ocular, ela certamente se beneficia quando o paciente tem boa circulação e pressão sanguínea. Mas, nem por isso, podemos sair indicando vinho para todo mundo", explica o especialista.

Neves alerta para o fato de que, se a pessoa não conseguir consumir a bebida moderadamente e passar dos limites, poderá correr riscos desnecessários. "O primeiro problema é o alcoolismo. Mas, quem excede no consumo de álcool, também tem risco aumentado para hipertensão, níveis altos de triglicérides e colesterol ruim, danos ao fígado, obesidade, determinados tipos de câncer e complicações na saúde ocular", completa.

Últimas notícias

Comentários