Ministério da Saúde lança guia alimentar "revolucionário"

Ao invés da tradicional pirâmide dos alimentos, o material mostra que a qualidade dos produtos está ligada ao modo com que eles são preparados

14/05/2015 08:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
De acordo com o novo guia alimentar do Ministério da Saúde, não basta que o alimento tenha verduras e legumes, por exemplo, é preciso que ele seja minimamente industrializado (foto: Pixabay)
Consuma menos gordura, restrinja as porções de carboidratos e não passe de 2 mil calorias diárias. As clássicas recomendações dos nutricionistas estão com os dias contados. O Ministério da Saúde acaba de lançar uma cartilha que promete revolucionar a forma como o brasileiro vê a alimentação. Em vez de classificá-los simplesmente como carboidratos, proteínas e lipídeos, o novo Guia Alimentar para a População Brasileira faz uma divisão entre alimentos naturais, processados e ultraprocessados. É nisso que as pessoas devem prestar atenção na hora de escolher o que vão pôr no prato.

Nem todo alimento de peixe, por exemplo, é saudável. O fresco é. Contém boas doses de proteína, vitaminas e minerais. O atum e a sardinha em lata estão um degrau abaixo. Eles recebem da indústria altas quantidades de sal e óleo para serem conservados. Apesar de manter parte dos nutrientes, o processamento altera o alimento original: o óleo aumenta a densidade calórica do peixe e o excesso de sódio é associado a doenças do coração. O peixe empanado já é outra história. Para fazer os nuggets, a indústria usa gordura vegetal hidrogenada, corantes, realçadores de sabor, ingredientes prejudiciais à saúde. São tantas adições, que, quando o alimento é ultraprocessado, não sobra praticamente nada do original — apenas o nome, o que dá uma falsa impressão a quem consome o produto.

O mesmo raciocínio vale para leite, queijo e bebida láctea; milho verde em conserva e cereal matinal; trigo (em farinha ou em grão), pão caseiro e pão de forma (inclusive o integral).

Pixabay
A cartilha do Ministério da Saúde condena os alimentos ultraprocessados, como os nuggets de frango, que, apesar de terem essa carne, possuem tantos aditivos que deixam de ser saudáveis (foto: Pixabay)


Para manter a saúde, a regra de ouro do guia é priorizar os alimentos naturais ou minimamente processados, como o tradicional arroz com feijão. Óleos, sal e açúcar, com moderação, temperam sem alterar a qualidade nutricional do prato. As conservas, os queijos e os pães artesanais entram em pequenas quantidades, para compor pratos baseados em alimentos frescos. Já produtos como lasanha pronta, macarrão instantâneo e embutidos devem ser evitados.

"Essa abordagem que deixa claro o quanto os produtos ultraprocessados não são saudáveis é inédita", afirma Elisabetta Recine, coordenadora do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional da Universidade de Brasília (UnB).

Cultura à mesa

Com linguagem fácil, o novo guia, elaborado em parceria com o Nupens (USP) e com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), pretende alcançar toda a população, e não só os profissionais da saúde. O texto está disponível na internet e os 60 mil exemplares impressos vão para hospitais e escolas. Segundo o Ministério da Saúde, o próximo passo é desenvolver estratégias para divulgar o conteúdo, entre elas vídeos e cursos de autoaprendizagem.

Um dos mais importantes sites americanos de notícias, o Vox, classificou o guia brasileiro como o melhor do mundo: "Eles não agrupam os alimentos em grupos. Em vez disso, focam em refeições e estimulam a cozinhar em casa". Michael Pollan, autor de livros como Em Defesa da Comida, classificou o guia como radical. Marion Nestlé, professora da New York University, elogiou o texto por ser baseado em comida.

Confira 10 passos para uma alimentação saudável:

  • Faça dos alimentos naturais a base da alimentação

  • Use óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades

  • Limite o consumo de produtos processados

  • Evite os ultraprocessados

  • Coma com regularidade e atenção e, se possível, com companhia

  • Faça compras em locais que ofereçam alimentos frescos, como feiras

  • Desenvolva, exercite e partilhe habilidades culinárias

  • Planeje o tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece

  • Fora de casa, dê preferência a comidas feitas na hora

  • Seja crítico quanto à publicidade de alimentos

Agência Senado
(foto: Agência Senado)


(com Agência Senado)

Últimas notícias

Comentários