Saiba porque a comida de avião não parece tão apetitosa

Estudo mostra que o barulho interfere em nossa capacidade de sentir o sabor das refeições

por João Paulo Martins 19/11/2015 11:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
O barulho gerado pelas turbinas, segundo estudo, reduz nossa capacidade de sentir o sabor doce dos alimentos e aumenta a percepção do umami (foto: Pixabay)
Já parou para pensar porque as refeições servidas no avião não possuem o mesmo gosto das consumidas em restaurantes em "terra firme"? De acordo com um estudo publicado no periódico científico Journal of Experimental Psychology, em novembro deste ano, o excesso de barulho, como o gerado pelas turbinas das aeronaves, altera nossa percepção de sabor, fazendo com que doces fiquem mais sem graça e alimentos com umami (ou quinto sabor gerado pelo glutamato monossódico) se tornem mais atraentes.

A pesquisa analisou 48 participantes, que receberam amostras de comida para serem apreciadas em dois ambientes: um com barulho de turbina e outro totalmente silencioso. Os pesquisadores concluíram que uma cabine de avião inibe a habilidade de se sentir o sabor doce, enquanto favorece o umami, comum em pratos com bacon, molho de soja e queijo parmesão.

Segundo Robin Dando, professor assistente da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, co-autor do estudo, o barulho pode alterar em até 15% a percepção desses sabores. "O efeito está ligado à interação sensorial entre o barulho e o nervo existente em seu ouvido", diz Dando em entrevista ao site The Huffington Post.

Cientistas já mostraram, anteriormente, que outros fatores influenciam o paladar quando se está viajando a 8 mil metros de altitude. O ar seco da cabine evapora o muco nasal e a pressurização pode dilatar as membranas, fazendo com que diminua a capacidade de sentir o sabor correto das refeições.

Um estudo feito pela empresa aérea alemã Lufthansa, em 2010, mostrou que a sensação de doce ou salgado cai 30% quando se está voando.

(com The Huffington Post)

Últimas notícias

Comentários