Guaraná tem potencial antioxidante maior do que chá verde, diz estudo

O fruto típico do Brasil é rico em catequina, substância com alto poder antioxidante

por Encontro Digital 28/07/2016 15:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Embrapa/Reprodução
De acordo com a pesquisa da USP, o guaraná é uma fonte riquíssima de antioxidantes, muito maior que o famoso chá verde (foto: Embrapa/Reprodução)
O chá verde é amplamente consumido no mundo e proporciona benefícios ao organismo, graças a componentes presentes em sua formulação, como as catequinas, que possuem ação antioxidante e propriedades anti-inflamatórias. Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) descobriram um concorrente à altura para a bebida, com pelo menos 10 vezes mais catequinas, e que é um velho conhecido dos brasileiros: o guaraná.

Ensaios clínicos com voluntários humanos saudáveis revelaram que o guaraná (Paullinia cupana) é uma importante fonte dessa substância antioxidante. Efetivamente absorvidas, as catequinas reduzem o estresse oxidativo no organismo, que é relacionado ao surgimento de doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, diabetes e câncer, inflamações e envelhecimento precoce, entre outras condições prejudiciais à saúde e ao bem-estar.

"Até então, o guaraná era visto apenas como estimulante devido ao seu alto teor de cafeína, principalmente pela comunidade científica internacional. No Brasil, também observamos que havia uma escassez de trabalhos enfocando outros efeitos biológicos do guaraná. A avaliação pioneira sobre a absorção e os efeitos biológicos de suas catequinas em voluntários humanos pode aumentar o interesse da comunidade científica, do mercado e da sociedade em geral pelo fruto como alimento funcional", diz a pesquisadora Lina Yonekura, coordenadora da pesquisa, publicada revista Food & Function, da Sociedade Real de Química do Reino Unido.

Os testes duraram um mês e foram realizados em duas etapas. Para medir os parâmetros de referência dos efeitos do guaraná em voluntários saudáveis, mas com sobrepeso e risco cardiovascular ligeiramente elevado, os indivíduos foram submetidos a exames clínicos após 15 dias de dieta controlada. Nos 15 dias seguintes, passaram a consumir 3 g de guaraná em pó suspenso em 300 ml de água todas as manhãs, em jejum.

As comparações foram feitas entre os exames dos mesmos voluntários, evitando-se, assim, influências da variabilidade entre os indivíduos. O efeito agudo do guaraná foi medido uma hora após a ingestão da solução no primeiro e no último dia. Já o efeito prolongado foi avaliado quando os indivíduos estavam em jejum, também no primeiro e no último dia.

"Os resultados são animadores e mostram que a biodisponibilidade das catequinas do guaraná é igual ou superior às do chá verde, cacau e chocolate, sendo suficiente para promover efeitos positivos sobre a atividade antioxidante no plasma, proteger o DNA e reduzir a oxidação dos lipídeos, além de promover um aumento da atividade de enzimas antioxidantes. Com a pesquisa, esperamos que haja um maior interesse científico pelo guaraná, já que essa é uma espécie nativa da Amazônia e o Brasil é praticamente o único país a produzi-lo em escala comercial", afirma a pesquisadora.

(com Agência USP)

Últimas notícias

Comentários