Não basta fechar a torneira

por Rafael Campos - Revista do Correio 06/05/2011 13:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
None (foto: Divulgação)

Com que frequência você compra um hambúrguer, uma simples camisa de algodão ou uma garrafa de vinho? Sabia que as respostas servem para medir o seu consumo de água diário? Para produzir estes e outros produtos são necessários vários litros de água: é a chamada água virtual. Não a gastamos apenas ao abrir a torneira ou o chuveiro; o que está sendo calculado é o consumo indireto da fonte mais preciosa do planeta. O raciocínio gerou um novo conceito, que está sendo difundido pelo mundo afora: o de Pegada Hídrica ou Hidrológica.

A ideia é simples: quanto maior o consumo, maior a pegada. Segundo o cálculo, o brasileiro gasta 871 litros diários, enquanto que um cidadão americano pode gastar em média 4.382 litros. Este cálculo, além de possibilitar saber quais são as nações que precisam frear o consumo, dá a noção dos produtos que mais gastam H2O em sua fabricação. Pensando nisso, algumas empresas estão reformulando sua política de produção com a ideia de reduzir ao máximo a quantidade de água consumida. O interessante é que, no futuro, será possível a elaboração de uma espécie de selo que indicará na embalagem do produto se poderá ser considerado hidrologicamente correto. Ainda são poucas as organizações que buscam diminuir a quantidade de água utilizada durante a fabricação, mas algumas já deram a largada.

A empresa mineira Cedro Cachoeira, do ramo têxtil, já conseguiu diminuir litros importantes de água. Desde 1995, estão sendo economizados cerca de 60 litros de água por quilo de tecido produzido (vestuário para o trabalho), enquanto que no processo de produção do jeans estão sendo reduzidos cerca de 10 litros de água por quilo produzido. “Hoje, no procedimento de resfriamento, conseguimos recuperar 95% da água, ou seja, conseguimos retê-la e a reutilizamos”. A Cedro possui fábricas em Sete Lagoas, Caetanópolis e Pirapora, e mantém ainda duas estações biológicas de tratamento de efluentes líquidos.

Outra empresa preocupada com o assunto é a Ambev, uma das maiores empresas de bebidas do mundo. Até 2012, a companhia irá reduzir o consumo de água em pelo menos 3,5 litros na produção de um litro de cerveja, e em 10% a emissão de CO2. A fábrica mineira, localizada em Sete Lagoas, que está sendo ampliada, já reduziu para 3,3 litros. “Na última década, reduzimos de 5,36 litros para 3,90 litros a quantidade de água utilizada para fabricar um litro de cerveja”, revela Milton Seligman, vice-presidente de relações corporativas da companhia.

   

 

Fábrica da Ambev, em Sete Lagoas: redução de 3,3 litros na produção de um litro de bebida

 

A Unilever, fabricante de produtos de higiene pessoal e limpeza, alimentos e sorvetes, também está investindo na iniciativa. Segundo a empresa, existe a ideia de reduzir pela metade o impacto ambiental de seus produtos, sendo que já conseguiu cortar 43% de água, nos últimos cinco anos, na sua linha de fabricação. Atualmente, a Unilever Brasil utiliza menos de 19 litros por tonelada de produção. E um dos produtos-símbolo desta mudança é o amaciante de roupas da marca, que, de diluído, passou a ser concentrado.

Reduzir o consumo da água também é uma das metas da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Segundo Valério Cambogi Parreira, diretor de operação sudoeste da empresa, nos últimos 10 anos houve redução no consumo médio mensal de 22 mil para 14 mil litros de água por residência. A partir disso, de acordo com o representante da Copasa, é possível saber se Belo Horizonte, por exemplo, não terá preocupações com a falta d’água no futuro. “BH, hoje, é uma das poucas cidades do mundo que têm abastecimento suficiente nos próximos 30 anos, sem problema algum”. Em relação à pegada hidrológica, a Copasa ainda neste semestre irá disponibilizar em seu site uma calculadora para que os clientes possam saber qual o consumo indireto de água. “Se você deixar de consumir um quilo de carne no mês, significa economizar 16 mil litros de água. A produção de um quilo de carne gasta mais água do que a média de consumo das residências de BH”.  Que tal diminuir a sua pegada?

Relação exagerada

Conheça a quantidade de água usada na produção de algumas mercadorias.
Essa medida é chamada de "pegada hídrica"
 

75 litros Copo de cerveja
1 litro Copo de água
960 litros Taça de vinho
11 mil litros/kg Blusa de algodão
925 litros/kg Pacote de batatas
16 mil litros/kg Hambúrguer
60 mil litros/kg Carne bovina
16 mil litros/kg Microchip
120 litros/kg Xícara de chá

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: www.josephbergen.com/viz/water

 

 

 

Últimas notícias

Comentários