Pelo livre trânsito da vida

por Patrus Ananias 07/06/2011 08:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

A cidade é o espaço do encontro e da convivência e permite que fiquemos perto uns dos outros. Penso que não temos outro caminho que não seja o do diálogo, da cooperação, da boa vizinhança. Do outro lado, encontraremos a estreita estrada dos conflitos mal administrados, da insensatez e da violência. São as duas alternativas de que nos fala o texto bíblico: a vida ou a morte.

 

Essas opções resumem bem os desafios postos para nossas cidades, que cresceram de maneira tão rápida e tão intensa. No Brasil, em espaço pouco superior a 60 anos (tempo significativo na vida de uma pessoa, mas muito pouco na história das comunidades e dos povos), invertemos uma realidade e uma cultura seculares. Tínhamos em torno de 70% da população brasileira na roça e pequenas comunidades, e hoje temos mais de 80% da nossa gente nas cidades, especialmente nas grandes cidades e regiões metropolitanas.

 

Junto com o vertiginoso crescimento das cidades consolidou-se o domínio total do automóvel e as cidades começaram a ser pensadas e trabalhadas em função dele. E mais grave: com a prevalência absoluta do automóvel particular em detrimento do transporte coletivo e outros meios alternativos de circulação das pessoas, inclusive, do hábito bom e saudável de andar a pé.

 

Belo Horizonte já foi chamada de “Cidade Jardim”. Cidade com clima bom e propício para tratamento de graves enfermidades; cidade acolhedora e humana, possibilitadora de encontros e boas conversas, construção de amizades fraternas e duradouras. Aqui se encontraram a província remanescente nas diferentes regiões e cidades de Minas e o espírito inquieto e universal de uma cidade em permanente diálogo com o mundo e o universo.

 

Pois bem: os tempos mudaram. A jovem e hospitaleira Capital das Alterosas cresceu, madurou, viu expandir as suas fronteiras, novos bairros, aglomerados, vilas, favelas. Os carros foram se impondo na esteira do progresso econômico e material, facilitando a vida de muitas pessoas. Melhorando de um lado, mas criando dificuldades do outro. Os espaços públicos foram diminuindo, os carros começaram a ditar o ritmo da vida, dos sons, dos valores. O poeta Carlos Drummond de Andrade percebeu rápido o impacto que os carros teriam na vida das pessoas: “Stop. / A vida parou / ou foi o automóvel?”

 

Há uma responsabilidade no trânsito que é dos governantes. Começa pela valorização e cuidado com o espaço público e pela prioridade para o transporte coletivo de qualidade. Inclui, ainda, a construção e a boa manutenção das estradas, avenidas, ruas e praças, pois para que possamos transitar bem pela cidade carecemos também desses espaços que preservam a redução do ritmo. Pede das forças públicas a sua presença em forma de instrumentos de fiscalização e segurança; a punição dos motoristas que descumprem as normas estabelecidas. Há o espaço da responsabilidade das empresas fabricantes: a segurança dos veículos; evitar a propaganda enganosa que associa o automóvel à força, ao poder, à quebra dos limites que todos devemos respeitar.

 

Mas a consciência dos motoristas é fundamental para recuperarmos a sanidade e a paz nesse território que se tornou conflagrado. O número crescente de carros exige novos padrões de comportamento, uma nova ética no trânsito. O ritmo agora é outro. Os congestionamentos impõem à força limites à potência dos carros e à pressa dos motoristas. Torna-se imperativo ético, compromisso com a vida e o bem comum, respeitar o Código Nacional de Trânsito e respeitar o próximo, esteja ele também motorizado, seja o pedestre ou o ciclista. É hora de respeitar nossa inteligência e nossa sensibilidade. Vamos acertar o grande pacto: atropelar, machucar e matar não pode. Que os belo-horizontinos possam de novo dirigir e passear em paz pelos caminhos de uma cidade que nasceu para aproximar as pessoas.

 

 

 

 

 

 

 

* Patrus Ananias é advogado, professor e pesquisador. Foi prefeito de BH e ministro do Desenvolvimento Social. Escreve mensalmente na Encontro

Últimas notícias

Comentários