Robson Rocha

por Daniele Hostalácio e André Lamounier 21/12/2011 11:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cláudio Cunha
Robson Rocha vendeu bala em porta de cinema, carregou sacolas em feira de alimentos e foi engraxate (foto: Cláudio Cunha)
 

 

Motorista de ônibus. Quando Robson Rocha era criança, se alguém perguntasse o que ele gostaria de ser quando crescesse, ouviria essa profissão como resposta. “Eu achava o motorista muito importante, conduzindo todas aquelas pessoas dentro de um ônibus”, lembra. Ocorre que o futuro lhe reservava pilotar uma nave muito mais sofisticada. Como vice-presidente de Gestão de Pessoas e Desenvolvimento Sustentável do Banco do Brasil, Rocha comanda o trabalho de 117 mil funcionários, bem como as políticas de treinamento de toda essa turma.

 

Na época em que era menino e vivia no bairro Ipiranga, na capital mineira, no seio de uma família de origem humilde, trabalhar para ajudar em casa e estudar era o horizonte que emoldurava os seus dias. Vários pequenos trabalhos marcariam essa fase da vida, bem como a adolescência: vendeu bala em porta de cinema, carregou sacolas em feira de alimentos, foi engraxate. “Com 14 anos de idade, eu já tinha carteira assinada”.

 

Sete anos depois, o Banco do Brasil cruzaria seu caminho. “Aos 21 anos, comecei a trabalhar na instituição, depois de um concurso público. O primeiro cargo foi como escriturário, em Uberlândia.

 

Fui fazendo carreira dentro do banco”, conta. Os estudos prosseguiram: formou-se em Administração de Empresas, cursou MBAs, fez pós-graduação em Recursos Humanos e mestrado em Marketing. Quase três décadas depois, ele assumiria uma das vice-presidências do Banco do Brasil.

 

Como alto executivo da instituição financeira, Robson ocupa hoje espaços estratégicos. Desde 2010, preside também o conselho deliberativo da Previ, maior fundo de pensão da América Latina, que soma ativos da ordem de R$ 150 bilhões e é investidor de diversas empresas, como Vale, Neoenergia e Embraer.

 

Entre as atribuições do mineiro, está a de deliberar sobre a política de investimentos do fundo. Em março deste ano, assumiu outra missão: a de membro do Conselho de Administração da Vale, uma das maiores empresas privadas do Brasil. No mesmo mês, representou o Brasil em evento na ONU, quando teve oportunidade de discutir com o secretário-geral da organização, Ban Ki Moon, políticas internacionais de equidade de gênero nas empresas do mundo.

 

Em setembro de 2011, a ele foi delegada nova tarefa. Orientado pelo governo da presidente Dilma Rousseff, o Banco do Brasil lançou amplo programa de microcrédito para o setor produtivo, com objetivo de implantar políticas de empréstimos para pessoas de baixa renda. Mal foi lançado, o programa deve terminar o ano com carteira de empréstimos da ordem de R$ 100 milhões. O piloto desse novo desafio: Robson Rocha. Que um dia sonhou apenas em pilotar um ônibus...

Últimas notícias

Comentários