Coluna de Direção 7

por Fábio Doyle 12/01/2012 12:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cláudio Cunha, Divulgação
None (foto: Cláudio Cunha, Divulgação)

Edge fecha o ano

 

O último dos mais de 60 lançamentos que chegaram ao mercado brasileiro em 2011 foi o Ford Edge (foto), edição 2012. A maior novidade é a oferta de versão apenas com tração dianteira – antes, sempre 4x4. O modelo também recebeu sistema GPS e de interatividade em português brasileiro. Com a adoção da tração em único eixo, o Edge de entrada, SEL, passou a R$ 120 mil – R$ 4 mil a menos do que o equivalente do modelo 2011. A mais cara é a topo de gama Limited 4x4, a R$ 147 mil. Esses preços só valem até o fim do primeiro lote, já importado, de duas mil unidades, que a empresa esperava vender até 16 de dezembro, quando passou a vigorar o novo IPI para importados fora Mercosul e México – o Edge vem do Canadá. Se tudo correr como o previsto, ao ler essa nota o preço do Edge estará 5% mais caro.

 

ONU aprova BRT

 

O modelo BRT (Bus Rapid Transit) foi apontado por um estudo realizado pela ONU (Organização das Nações Unidas) como uma solução bem-sucedida para mobilidade urbana. A constatação esteve presente no relatório: “Rumo a uma Economia Verde - Caminhos Para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza”, que faz parte do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente 2011. A solução de corredores exclusivos de ônibus, com funcionamento semelhante ao do metrô, já é adotada em Curitiba (PR) e na região metropolitana de São Paulo. Na cidade paranaense, a redução de consumo do combustível com a adoção do BRT chegou a 30%. Em Belo Horizonte, a BHTrans prepara a implantação do BRT local.

 

 

 

Projeções 2012

 

Cledorvino Belini (foto), presidente da Anfavea, apresentou em sua última reunião do ano com a imprensa as projeções da entidade para 2012. Os números são bem parecidos com os de 2011, com alta de um dígito em produção e vendas ao mercado interno – o que representaria, automaticamente, novos patamares sobre os recordes de 2011. Baixa, só nas exportações, devido ao cenário europeu. Enquanto isso, os números de novembro revelaram recuperação na comparação com outubro, mas ainda ficaram pouca coisa abaixo do mesmo mês de 2010, o que forçou ajuste no total das vendas para 2011. O ano deve fechar com crescimento em vendas de 3,3% (até o fechamento não tínhamos os números oficiais), totalizando 3,63 milhões de veículos. A expectativa inicial era de 3,69 milhões, e crescimento de 5%.

 

Títulos merecidos

 

A oferta de títulos e medalhas a personalidades da sociedade nem sempre recai em quem tenha feito alguma coisa realmente relevante. Mas este não é absolutamente o caso das premiações entregues no final do ano a duas personalidades que trabalharam – e trabalham – com garra e afinco pelo engrandecimento e desenvolvimento de Minas Gerais. A primeira foi a entrega, pela Câmara Italiana, da Medalha Itália Affari ao ex-governador Rondon Pacheco. O papel de Rondon Pacheco no processo de implantação da Fiat em Minas Gerais foi de uma importância inominável. Não é exagero dizer que ele foi o responsável por transformar Betim/Belo Horizonte na Turim brasileira e iniciar todo o processo de aproximação das culturas mineira e italiana.

 

O segundo foi o título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte a Marco Antonio Lage, diretor de comunicação corporativa da Fiat. Foram a garra e determinação de Lage e sua equipe que viabilizaram o megalançamento do novo Palio em Belo Horizonte, em novembro. O evento movimentou a cidade por um fim de semana e culminou com o show de Andrea Bocelli, na Praça da Estação, com a presença de mais de 80 mil pessoas. A ação da Fiat, pelas mãos de Lage, colocou Belo Horizonte no cenário internacional da cultura.

 

Custo Minas

 

Os preços para a manutenção dos carros, principalmente os importados, estão absurdamente caros. As peças e componentes originais custam valores totalmente desproporcionais ao que vale o carro. E aqui em Minas, a situação é ainda pior. Para que a mordida no bolso seja menor, a dica é consultar os preços das peças que precisam ser trocadas em pontos de assistência técnicas autorizadas em outros estados. Fizemos essa pesquisa e encontramos em São Paulo as mesmas peças originais para carros Mercedes-Benz e Volvo com preço 10% mais baixo em relação aos orçados pelos representantes de Belo Horizonte. A compra pode ser feita pelo telefone, o pagamento via depósito bancário e a peça original chega a seu endereço pelo Sedex, dependendo da negociação, sem custo de frete. Quando informamos que a peça para o serviço será fornecida pelo cliente, o prestador de serviço local imediatamente concede o mesmo desconto. Fica a pergunta. Por que isso? A resposta: falta de concorrentes.

 

Flexibilização no IPI abusivo

 

No encerrar do ano, diante do crescimento do PIB de 3,2%, menor que o esperado, o governo federal já soltava os primeiros sinais de que algumas medidas para acelerar a economia serão tomadas em janeiro. A primeira delas deverá ser a flexibilização do IPI mais elevado (30%) para alguns carros importados. Desde que o tal decreto foi publicado, tudo o que se viu foram bem argumentados ataques à medida protecionista e defesas pouco convincentes. Vamos torcer para que o erro seja corrigido antes de causar muitos danos.

 

Boa e velha companhia

 

Mesmo na maturidade, o Porsche 911 (foto) é uma companhia que não traz problemas. Não importa se tem sete, nove ou onze anos, o carro esportivo ícone foi novamente o modelo com o menor número de defeitos entre todos os veículos de sua faixa etária. A conclusão é do relatório anual divulgado pelo TÜV – departamento do governo alemão de segurança automotiva – na publicação Autobild. Como no ano anterior, em cada uma das inspeções técnicas, os inspetores do TÜV encontraram no 911 as menores incidências de motivos para reclamações. Ao todo, os modelos 911, Bosxter e Cayman ocuparam cinco das 10 melhores posições entre todos os grupos de carros “velhos” analisados.

 

Esse relatório toma por base dados de aproximadamente 8 milhões de inspeções técnicas realizadas entre julho de 2010 e junho de 2011. De acordo com a Associação das Agências de Inspeção Técnica, quase 18% dos carros com sete anos de idade, 22% dos com nove anos e quase 27% dos com 11 anos apresentaram defeitos sérios e só receberam seu certificado TÜV (que permite sua circulação) após a segunda visita ao órgão de inspeção. Tudo muito alemão. Não é por outra razão que fazem os melhores carros do mundo.

Últimas notícias

Comentários