Vida digital

por Heitor Oliveira 29/02/2012 08:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cláudio Cunha, Divulgação
None (foto: Cláudio Cunha, Divulgação)

Enfim, futebol e modernidade em BH

 

Depois de quase dois anos de Mineirão fechado, Belo Horizonte finalmente ganhará no próximo mês um estádio de futebol mais afinado com as últimas novidades tecnológicas. O moderno virá no novo Estádio Magalhães Pinto; porém, o Independência, no Horto, já exibirá ganhos nessa área: a principal delas é o telão de LED com alto brilho e baixo consumo de energia, instalado na reforma do estádio. Mas as maiores mudanças, em termos tecnológicos, virão do novo Mineirão, previsto para ser inaugurado no ano que vem, quando será sede da Copa das Confederações. A aposta dos responsáveis pela reforma é no conceito de arena multiuso (foto). Eles prometem que a do estádio da Pampulha será a mais moderna do país. Usará 186 amortecedores instalados sob as arquibancadas, o que vai reduzir bastante a vibração das estruturas de concreto. Esses amortecedores têm tecnologia de ponta, do mesmo modelo TMD usado nas últimas grandes construções do mundo, mas ainda novidade por aqui. O sistema de controle de acesso será eletrônico (para mais rapidez na entrada) e telões de LED de alta definição terão capacidade de zoom, câmera lenta e suporte giratório. Também os sistemas elétrico, de ar-condicionado e os refletores serão automatizados. O sistema de vigilância e as cabines de imprensa também estão sendo trocados. “Vamos ter uma arena em concordância com os altos padrões internacionais dos estádios mais modernos do mundo”, garante o gerente do Programa Copa 2014, Eder Campos. A cara tecnológica do Mineirão ainda não foi mostrada em detalhes, até porque a maioria dos projetos ainda está em fase de licitação. Mas cabe lembrar que o segmento de tecnologia foi o que mais apresentou propostas de negócios para a Copa em Belo Horizonte: das 100 empresas que visitaram a Secretaria de Estado Extraordinária da Copa (Secopa), 30 eram do segmento, à frente das firmas de eventos e das de consultoria.

 

 

 

Varejo offline, lógica online

 

O arquiteto Cristiano Monte Mor e o engenheiro de telecomunicações Gustavo Lemos (foto) acabam de chegar de uma viagem inesquecível, sobretudo para quem gosta e vive de tecnologia. Os dois, sócios da empresa de soluções tecnológicas para o varejo IDXP, de Belo Horizonte, estiveram no Vale do Silício, região na Califórnia (EUA) onde nasceram nove em cada 10 empresas da área que tiveram destaque no mundo. A viagem era parte da vitória da empresa dos dois no desejado SmartCamp, premiação de empreendedorismo da poderosa IBM. Havia centenas de projetos candidatos em todo o país, mas a mineira acabou vencendo a parte brasileira e concorreria com outros candidatos de todo o mundo em San Francisco, na Califórnia. Em resumo, vence o SmartCamp quem apresenta soluções que consigam a difícil união de inovação e aplicação prática. A ideia desenvolvida por Cristiano e Gustavo quando os dois eram colegas na pós-graduação em gestão na Fundação Dom Cabral oferece esses dois requisitos. A IDXP apresentou um processo que fornece sensores inteligentes para lojas e carrinhos de compras. Com isso, monitora o comportamento dos consumidores dentro das lojas – e em tempo real. O próprio Cristiano explica melhor: “Faremos nas lojas físicas o que já é feito nos grandes sites de comércio eletrônico”, afirma. “Um supermercado, por exemplo, terá acesso a quanto tempo o consumidor ficou em determinada seção, o que comprou, para onde foi e de onde, etc.”. As informações serão obtidas por meio de etiquetas colocadas nos carrinhos e radares nos supermercados. A partir daí seguem – anonimamente – para um software da IDXP que organizará os dados de acordo com o solicitado pela empresa contratante.

 

 

Últimas notícias

Comentários