Portinari

por Bertha Maakaroun 13/09/2012 10:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eugênio Gurgel, Alessandro Camargos, Jane Araújo, Léo Araújo
None (foto: Eugênio Gurgel, Alessandro Camargos, Jane Araújo, Léo Araújo)

Programada para novembro, a restauração do painel de Portinari, instalado no primeiro piso do Palácio dos Despachos, será transformada numa exposição temporária aberta ao público. O presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo Lima Pereira, que neste momento enfrenta o desafio de transformar a antiga sede administrativa do governo do estado num espaço de beleza para abrigar a casa de cultura, explica: “Será um restauro lento, para uma exposição que se estenderá por seis meses”. Além do acesso de estudantes de escolas públicas e privadas, e de amantes da arte e da cultura, a restauração da obra será uma oportunidade para que as pessoas identifiquem o novo espaço que sediará a Casa Fiat de Cultura. O Palácio dos Despachos foi cedido em comodato por 30 anos pelo governo do estado à Fiat. “Assumimos a custódia do palácio e o painel ficará sob a nossa guarda”, afirma José Eduardo Lima Pereira.

 

Missas e concertos

 

O valor do investimento na adaptação do Palácio dos Despachos e seus jardins para a transferência da sede da Casa Fiat de Cultura ainda não está definido. “É prematuro. A cada dia, a realidade se altera”, diz José Eduardo Lima Pereira. A destinação da sede do Belvedere, que só com as exposições A Vida e os Imperadores de Roma, Caravaggio e De Chirico atraíram um público de mais de 300 mil pessoas, ainda está em discussão. Definido está, contudo, que, com a nova casa na Praça da Liberdade, serão restabelecidas as missas dominicais na capela do Palácio dos Despachos. E nas sextas-feiras à noite estão previstos concertos de música sacra.

 

Barroco e copa

 

O ano da Copa também será tempo do bicentenário da imortalidade de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Com poucas informações sobre a vida pessoal do artista, que deixou em Minas um extraordinário legado do barroco, sabe-se que a sua morte ocorreu em 18 de novembro de 1814. Nesse sentido, o projeto de lei do presidente da Assembleia Legislativa, Dinis Pinheiro (PSDB), não apenas institui o ano das comemorações tomando como marco temporal o dia de sua morte, como constitui um grupo de estudos para planejar as comemorações que divulgarão a arte mineira para o mundo também nos eventos da Copa em Belo Horizonte.

 

 
 

Recondução

 

Mais votada na lista tríplice da categoria, Andréa Abritta GarzonTonet foi reconduzida para a chefia da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais. Depois da posse no Palácio Tiradentes,  recebeu os cumprimentos em coquetel prestigiado por Antonio Anastasia, defensores, promotores e procuradores, juízes e amigos.

 

 
 

Jejum à mineira

 

Depois de uma longa espera, tomou posse no Superior Tribunal de Justiça (STJ) Assusete Magalhães, de 63 anos, para a vaga aberta com a aposentadoria do ministro carioca Aldir Passarinho Júnior. Na última década, foram aposentados oito ministros mineiros no Superior Tribunal de Justiça (STJ).  Apenas três haviam sido nomeados – Arnaldo Esteves Lima, Sebastião dos Reis Júnior e João Otávio de Noronha –, embora nesse período muitos mineiros tenham integrado as listas tríplices encaminhadas ao presidente da República para nomeação. A própria Assusete nelas figurou, nos últimos anos, três vezes. “Quebramos um longo jejum”, diz Assusete. Ex-presidente do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, Assusete mora em Brasília, mas mantém casa em Belo Horizonte. “Como diria Guimarães Rosa, o real não se apresenta nem na saída nem na chegada, mas no meio da travessia. Em Minas nasci, estudei, constituí família. Comecei a minha vida profissional como magistrada federal. E não estaria hoje nessa trajetória não fosse o apoio irrestrito que tive de todos os segmentos e em todas as esferas de Minas”, afirma, agora, a sétima mulher a integrar em caráter permanente o STJ.

 

 
 

Homicídios em queda

 

Os números da violência ainda estão em patamar elevado. Mas, nos últimos quatro meses, vêm apresentando queda. Desde que assumiu a Secretaria de Estado de Defesa Social, em meio a indicadores crescentes de homicídios e crimes violentos, o procurador de Justiça Rômulo Ferraz já tem um balanço a apresentar. Entre maio e agosto últimos, a média mensal de homicídios no estado baixou 9% em relação aos quatro primeiros meses do ano, passando de 324 para 295. Os crimes violentos, sobretudo roubos, apresentaram queda de 10%, de 6.244 em abril para 5.648 em julho.

 

Paz entre as polícias

 

Sob a batuta de Rômulo Ferraz, o processo de integração entre as Polícias Civil e Militar, que esteve em crise no início deste ano, volta a caminhar: registra-se  maior número de operações conjuntas no monitoramento diário de crimes violentos e na política de prevenção. “A criminalidade tende a diminuir com a retomada dos projetos de prevenção e a atuação próxima entre as polícias”, afirma Rômulo, em referência à implantação de 10 novos núcleos do Fica Vivo nos próximos 12 meses, sobretudo na Região Metropolitana de BH. Nos próximos três anos, a Secretaria de Estado de Defesa Social terá investimentos do BID e BNDES de R$ 340 milhões. Na pauta: aquisição de mil viaturas, construção de 15 presídios e implantação de tornozeleiras.

Últimas notícias

Comentários