Joia de 1928

por Fábio Doyle 14/09/2012 10:04

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
None (foto: Divulgação)

Um Mercedes-Benz Saoutchik Tipo S ganhou o título de Best of the Show deste ano na exposição de antigos do Concurso de Elegância de Pebble Beach, nos Estados Unidos. O carro, com carroceria tipo “torpedo”, com para-brisa baixo, foi criado pelo encarroçador francês Jacques Saoutchik. Sua história começa em 1928, quando foi encomendado pela Mercedes-Benz Comp. Inc., de Nova York, para o cliente Charles Levine, da mesma cidade. Em 2 de agosto de 1928, seu chassi foi entregue à Saoutchik, em Neuilly-sur-Seine, na França, empresa que fabricou e montou a carroceria de dois lugares, cobrando pelo trabalho 72.327,25 francos (equivalentes, na época, a 11.572,35 marcos alemães) à Daimler-Benz AG, em dezembro de 1928, quando foi entregue ao comprador. Os atuais proprietários são Judy e Paul Andrews, da cidade de White Settlement, no Texas. O exemplar ficou guardado por cerca de 30 anos, até ser restaurado e, neste ano, voltar às passarelas.

 

O Mercedes-Benz Tipo S – também conhecido como 680 S, devido ao seu motor de 6,8 litros – foi lançado em 1927 como uma evolução do superesportivo Mercedes-Benz Modelo K. Ele marcou o lançamento de uma legendária família de automóveis com motores sobrealimentados, que incluiu os modelos SS e SSK a partir de 1928. Esses carros fizeram história nas corridas durante anos, mas também podiam ser adquiridos como veículos para uso normal. Todos os membros dessa família eram equipados com um motor com seis cilindros em linha e compressor para aumentar o rendimento. A potência também era aumentada pelo sistema de dupla ignição: cada cilindro tinha duas velas, uma acionada pela bateria e a outra por um sistema a magneto de alta voltagem.

 

O motor de 6,8 litros do Tipo S, modelo que serviu de base para todos os outros, alcançava potência de 120 cv sem compressor e 180 cv quando o compressor era acionado. Isso tornava o Tipo S um dos mais rápidos e mais desejados carros esportivos daquele tempo. Sua primeira aparição pública, na corrida de inauguração do circuito de Nürburgring, em 1927, foi marcada pela vitória. O piloto italiano Rudolf Caracciola cruzou a linha de chegada com seu Tipo S em primeiro lugar.

 

Apenas 146 desses esportivos exclusivos de alta performance foram fabricados, a grande maioria deles vendida numa versão aberta com quatro lugares, com carroceria produzida em Sindelfingen. Alguns, porém, como o vencedor do título Best of the Show deste ano em Pebble Beach, foram entregues pela fábrica como chassis, para receberem carrocerias feitas pelos mais famosos encarroçadores da época. O Mercedes-Benz Tipo S é um dos carros colecionáveis mais populares do mundo e um dos mais valiosos.

 

Upgrade para o Cobalt

 

 
 

Menos de um ano após seu lançamento, a GM traz agora nova versão do Cobalt com novidades tecnológicas: um novo motor e duas opções de câmbio – manual de cinco marchas e automática de seis. Agora, além do 1.4 Econo.Flex, que, apesar das boas vendas, recebeu críticas de desempenho, a marca oferece a opção do motor 1.8 Econo.Flex. Com essa configuração, a potência é de 106 cv com gasolina e 108 cv com etanol. Os preços sugeridos começam em R$ 43.690 (versão LT1 de entrada com câmbio manual) e R$ 49.990 (versão LTZ II top de linha com câmbio automático). A expectativa de venda é de 6.300 unidades por mês, com mix de 50% para as versões com motor 1.4 e 50% com o 1.8. Hoje, a média de vendas é de 6 mil unidades/mês, revelou Gustavo Colossi, diretor de marketing da GM do Brasil. O carro foi lançado por videoconferência no dia 22 de agosto. No curto test drive que fizemos dirigindo sem preocupações com economia de combustível, do escritório da GM na Savassi até o bairro Jardim Canadá, em Nova Lima, o computador de bordo registrou consumo médio de 6,4 km/l, com gasolina no tanque. Vale um novo teste.

 

Auréolas

 

Só faltou uma auréola sobre a cabeça de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, ou Caoa, como é mais conhecido o presidente da Hyundai, quando anunciou o apoio da montadora ao programa Criança Esperança. Deve ter sido a forma de mostrar que, além do crescimento da marca, ele tem também responsabilidade social. Não demorou muito e, na mesma toada, apareceu na telinha José Luiz Gandini, presidente no Brasil da também coreana Kia. As marcas fazem parte do mesmo grupo internacional, mas no Brasil são ferozes concorrentes.

 

Chrysler abre segunda revenda em BH

 

Os proprietários de carros da marca Chrysler em Belo Horizonte e imediações ganham um presente neste mês de setembro. É que terão uma segunda alternativa para comprar seus carros ou para serviços de assistência técnica autorizada na cidade. O Grupo JCR, que já tem em BH as concessionárias Valence (Renault) e Misaki (Nissan), inaugura agora a concessionária Auto Trek como revendedora das marcas Chrysler, Dodge, Jeep e Ram, na av. Barão Homem de Melo, ao lado da Valence. A estrutura contará com área de 2.675 m divididos entre show room, estoque de peças e oficina. A notícia deve provocar alívio também para a Bamaq, do grupo Minasmáquinas, que hoje atende sozinha e em uma única estrutura de pós-vendas as marcas Mercedes-Benz e Chrysler.

 

Adam revelado

 

 
 

A General Motors divulgou imagens do Adam, seu novo compacto europeu. Lançado pela divisão europeia da marca, a Opel, o modelo chega para enfrentar o Mini Cooper, o Fiat 500 e o Audi A1. A aposta será a mesma dos rivais: desenho arrojado e apelo jovem. O Adam mede 3,70 m de comprimento, 1,72 m de largura e 2,31 m de entre-eixos e oferece lugar para quatro passageiros. O teto é flutuante, dando a sensação de estar “descolado” da carroceria. O interior traz tela central para o sistema de entretenimento com conectividade para iPhone e Android. São três opções de motorização a gasolina de quatro cilindros: um 1.2 de 70 cv e dois 1.4 de 87 cv e 100 cv. A transmissão, por enquanto, é apenas manual de cinco velocidades, com opcional Start/Stop. O lançamento do Adam será no Salão de Paris, no final deste mês, mas as vendas começam só no início do ano que vem. O nome é uma homenagem a Adam Opel, fundador da marca.

Últimas notícias

Comentários