Luli nas nuvens

por Alysson Lisboa 14/09/2012 10:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Alysson Lisboa, Paulo Márcio
None (foto: Alysson Lisboa, Paulo Márcio)

Um dos mais atuantes profissionais da área de tecnologia e inovação, Luli Radfahrer esteve em Belo Horizonte para conversar com os alunos e professores do Uni-BH sobre seu mais novo livro: Enciclopédia da nuvem. Professor e Ph.D em comunicação digital pela USP, Luli aborda os problemas que as empresas enfrentam no mundo em transformação.

 

Quais os principais erros que as empresas cometem no ambiente virtual?

É achar que existe uma fórmula de sucesso na web. O importante é perguntar sempre: “Como eu apelo ao meu público, como consome e qual a melhor maneira de falar com ele?”. As pessoas criam blogs e sites porque não sabem onde seu público está. Ficam mais preocupadas em estar no ambiente do que em escutar seu público. Se ele está no Facebook, o aplicativo deve estar lá. Devemos aproveitar o sucesso dessas redes. É um oportunismo, no bom sentido. Surfar era um termo muito usado no passado. Realmente, agora estamos surfando, pegando a onda de sucesso dessas empresas.

 

Como você explica o fracasso de empresas que eram sucesso no século 20, como Kodak, Sony e tantas outras?

Você tem de fazer como Pelé fez. Sair no auge da carreira, ou pelo menos se reinventar quando estiver no auge. A Sony era a Apple dos anos 1990. Tudo era Sony. Empresas assim cometem o erro clássico de arrogância de quem cresce muito e não pensa no seu público. Sempre foi assim e sempre será assim.

 

Por que você não lançou seu livro em formato digital?

Porque o papel é um dispositivo interessante para um livro de referência, ele é praticamente um tablet impresso. É mais fácil manusear, não existe concorrência com as janelas da tela do computador e não concorre com outros elementos na tela.

 

Ajuda aos migrantes digitais

 

 
 

O crescimento da classe média – e, consequentemente, a velocidade com que surgem novos dispositivos móveis – não acompanha a alfabetização digital necessária para que a população consiga manipular com facilidade os novos aparelhos. Muitos usuários compram smartphones, mas fazem deles uso bem limitado. De olho nesse apetitoso mercado, a Vivo acaba de lançar o Guru Tecnológico, programa para auxiliar novos usuários de smartphones e tablets. Um profissional fica disponível nas lojas da empresa para orientar o consumidor quanto à utilização e manuseio dos equipamentos, configuração de e-mails e redes sociais.  O interessante é que a ajuda não está restrita aos clientes da empresa. Consumidores de qualquer operadora podem utilizar o serviço. Grátis, já está em operação em 13 lojas em Minas.

 

Biblioteca digital

 

Formado por quatro grandes editoras de livros acadêmicos – Grupo A, Saraiva, Editora Atlas e Grupo Gen –, chega ao mercado o minhabiblioteca.com.br. Oferecido às universidades por meio de assinatura, o link à Biblioteca Digital Universitária possibilita acesso a vasto acervo de livros didáticos. O valor cobrado é proporcional ao número de alunos da instituição de ensino.

 

 
 

Surfando na onda dos tablets

 

O primeiro hardware da gigante Microsoft deve chegar ao competitivo mercado dos tablets no mês que vem. O Surface vai rodar o Windows 8 e terá, inicialmente, dois modelos. O primeiro – mais leve e fino – é concorrente direto do iPad, com tela de 10,6 polegadas, disponível nas versões de 32GB e 64GB. Outro modelo, mais robusto, terá maior capacidade de memória, 64GB ou 128GB, e vai competir diretamente com os ultrabooks e notebooks. O design do produto com teclado colorido, que também serve como proteção para o aparelho, é o ponto forte.

 

Últimas notícias

Comentários