A nova moda é o macaron

por Marina Dias 17/09/2012 13:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
João Carlos Martins, Geraldo Goulart, Leo Araújo, Eugênio Gurgel
None (foto: João Carlos Martins, Geraldo Goulart, Leo Araújo, Eugênio Gurgel)

Depois da onda do brigadeiro de colher e da moda dos cupcakes, agora é a vez de os macarons caírem no gosto dos mineiros. Cada vez mais, os doces redondinhos, coloridos e superdelicados – muito comuns em pâtisseries francesas – têm aparecido em lanches, sobremesas e eventos em BH. Inicialmente vistos compondo mesas de guloseimas em festas de casamento, eles têm ganhado adeptos e já podem ser encontrados em alguns bistrôs, padarias finas, confeitarias e até supermercados da cidade.

 

Letícia Pimenta, do bufê J’Adore, conta que os macarons têm feito muito sucesso nas festas de casamento de BH: “As mesas de doces são uma atração à parte”
 
 

A rede de supermercados Super Nosso começou a vender seis sabores  no início de agosto. “Fizemos uma revisão do mix da padaria e da confeitaria e decidimos incluir o produto”, conta o supervisor de gastronomia Fernando Mendonça, que afirma ter priorizado as variedades clássicas do macaron, como pistache, baunilha, chocolate e framboesa, sem deixar o gostinho brasileiro de lado, com o sabor maracujá. “É importante também adaptá-lo ao gosto local”, diz.

 

O sucesso do docinho também foi percebido pela confeitaria Pão de Bel, que produz macarons há um ano e meio. Segundo a proprietária, Isabel Pacheco, a procura passou a aumentar nos últimos 12 meses e o crescimento da demanda no período foi de mais de 50%. “As pessoas começaram a conhecer o macaron em São Paulo, onde as novidades chegam primeiro no país; depois, em festas de casamento, onde tem sido muito usado; e logo passaram a buscá-lo em lojas, ainda que não existam tantas vendendo o produto na cidade”, diz ela, que faz 300 unidades por semana, para encomendas e vendas na confeitaria.

 

 
 

Isabel explica que a guloseima – popularizada na França e elevada a objeto de desejo com as versões chiquérrimas oferecidas por famosas confeitarias parisienses, como Ladurée e Pierre Hermé – lembra o nosso suspiro, mas é mais trabalhoso e mais caro. A farinha de amêndoas, principal ingrediente da receita (que ainda leva clara de ovo e açúcar), não é um produto barato, e os recheios costumam ser finos, a exemplo do pistache, chocolates importados ou versões trufadas, o que ajuda a subir o preço. “O macaron é chique, sofisticado. Em alguns lugares, a farinha de amêndoas é até trocada por farinha de castanha para baratear a produção. Infelizmente, o doce não fica tão leve com ela”, explica a confeiteira.

 

O Super Nosso começou a vender macarons em agosto: sabores clássicos, mas sem deixar de fora opções como o maracujá, para adaptar o docinho ao gosto brasileiro
 
 

A proprietária da Casa Bonomi, Paula Bonomi, que já produz macarons há mais de cinco anos, engrossa o coro: “A qualidade do ingrediente é muito importante no macaron. Se você usar essência de pistache em vez da própria semente, ou essência de morango no lugar de geleia de frutas vermelhas, isso faz a diferença”, afirma ela, ressaltando, ainda, que esse é um doce feito manualmente e com uma receita muito precisa, o que faz dele, além de tudo, trabalhoso. “Confeitaria é química. Por alguns segundos a mais ou a menos, vai dar errado”, diz a proprietária da padaria, que oferece o doce nas versões chocolate, amêndoas, pistache, nozes, frutas vermelhas, maracujá e amora.

 

Na Casa Bonomi, uma opção é saborear o docinho em seu habitat: o chá da tarde fica ainda mais charmoso 
 
 

Mas o preço não tem impedido noivos e noivas de colorir suas festas com o confeito. Os macarons aparecem em mesas de doce, de café da manhã e até como substitutos dos tradicionais bem-casados (sanduichinhos de pão de ló com doce de leite ou outros recheios). Os coloridos doces, em sabores como frutas vermelhas, pistache, Nutella, coco, maracujá e champanhe, ajudam a embelezar e a compor os menus das festas, que devem ser apetitosos para a boca e para os olhos. “As mesas de doces têm sido uma atração à parte em eventos. Os macarons vêm para acrescentar na variedade e beleza dessa composição”, conta a proprietária do bufê J’Adore, Letícia Pimenta, que vende os produtos apenas por encomenda.

 

O Verdemar comercializa os doces desde 2006: no último ano e meio, a demanda cresceu 10 vezes e hoje são produzidos 600 quilos por mês
 
 

Na França, o doce costuma ser consumido no chá da tarde das pâtisseries. Considerado um petit four, ele pode ainda acompanhar o café após as refeições ou fazer as vezes da sobremesa. No Ah!Bon, que tem a receita desde que abriu, em 2003, o mais comum é pedirem o macaron sozinho como sobremesa, mas os clientes mais ousados o combinam com o sorvete da casa ou com algum outro item, para compor um prato com mais sabores e texturas. As opções incluem os clássicos nozes, chocolate e pistache, bem como variedades mais locais, a exemplo de cupuaçu, manga e banana.

 

Os macarons também são servidos de sobremesa, como os oferecidos no Ah!Bon: a  combinação com sorvete compõe um prato ainda mais gostoso – e bonito
 
 

Um dos locais que vendem o produto há mais tempo em BH, a rede de supermercados Verdemar tem visto a demanda crescer de forma vertiginosa nos últimos tempos. “Começamos a vender em 2006, mas o produto ainda era desconhecido. De um ano e meio para cá, posso dizer que as vendas cresceram 10 vezes, entre o que é comercializado nas lojas e encomendado para festas. Ao mês, o crescimento tem sido de cerca de 10%”, afirma o superintendente industrial Edward Soares, que estima a produção de 600 quilos do produto mensalmente na rede, onde há os sabores limão, maracujá, chocolate e pistache. Com tantas opções, não tem como não agradar. Bon appetit!

 

Receita Fácil

 

Isabel Pacheco, da confeitaria Pão de Bel: ela sugere uma receita básica de macaron, em que o recheio fica à escolha do ‘mestre-cuca’
 
 

Ingredientes:
300 g de açúcar de confeiteiro

160 g de farinha de amêndoas

4 claras (deixar as claras em repouso por no mínimo 24 horas)

40 g de açúcar refinado

Anilina na cor correspondente ao sabor de recheio que escolher

 

Modo de fazer:
Misture a farinha de amêndoas e o açúcar de confeiteiro. Reserve. Bata as claras. Depois que estiverem em neve, misture o açúcar refinado na batedeira em velocidade alta, até ficar bem firme (mais ou menos 15 minutos). Coloque aos poucos a mistura de farinha de amêndoas e açúcar de confeiteiro e mexa delicadamente até ficar tudo incorporado. Pré-aqueça o forno a 150 graus. Pingue os macarons com o bico de confeitar no tabuleiro bem untado e enfarinhado ou em folha de Silpat (silicone). Depois de pingá-los, deixe-os secar por 20 minutos para levar ao forno. Asse por 15 minutos e só os desenforme depois de frios. Recheie com geleias, ganache, brigadeiro.

Últimas notícias

Comentários