Pegando pesado

por Daniela Costa 09/10/2012 09:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Geraldo Goulart
A ortodontista Luciana Rohlfs, 39 anos, revela : “Não abro mão dos treinamentos do CrossFit” (foto: Geraldo Goulart)

Durante 50 minutos e sem parar um momento sequer, o advogado Ricardo Valadares Valério Calderaro realizou uma façanha que há alguns anos não imaginava ser capaz. Alternando os exercícios, ele completou um dos work out of the day – a missão do dia – mais difíceis do CrossFit: o Murph. A tarefa? Correr 1.600 metros, fazer 100 pull-ups (barra), 200 push-ups (flexão no chão), 300 airsquats (agachamento) e, finalmente, mais 1.600 metros de corrida. O detalhe é que Ricardo fez tudo isso no auge dos seus 64 anos e com apenas um ano de treinamento. “Eu pratiquei capoeira e corrida de aventura por muito tempo, mas depois que descobri o CrossFit houve uma melhora total no meu condicionamento físico. Hoje, eu estou preparado para qualquer desafio”, diz.

 

Para a educadora física Carolina de Paula Wendling, 25 anos, o treinamento pesado traz resultados: “Com ele é possível perder peso e ter definição muscular”
 
 

Quem achou pesada a maratona de Ricardo não imagina que este é apenas o começo. No CrossFit não existe repetição e os desafios são diários. Criado nos Estados Unidos há cerca de oito anos, o treinamento saiu direto das academias de polícia e tropas de elite para cair no gosto dos atletas amadores e profissionais de todo o mundo. Com uma proposta inovadora, o programa é uma mistura de técnicas de várias modalidades esportivas, entre elas levantamento de peso olímpico, luta, corda, natação, corrida e remada. O uso dos aparelhos comuns nas academias de ginástica é dispensado e os exercícios são feitos apenas com o peso corporal. Em cada aula, o grupo faz movimentos funcionais, de alta intensidade e constantemente variados. Rotina é uma palavra que não existe nos treinos. Os alunos não seguem fichas e são surpreendidos com uma atividade nova a cada dia, definida de acordo com os limites de cada um. “O CrossFit é uma modalidade esportiva totalmente inclusiva, que qualquer pessoa pode praticar. Isso porque o treinamento é adequado às condições físicas de cada indivíduo”, explica o educador físico Leonardo de Pádua Soares, da CrossFit BH, única academia no segmento em Minas e segunda a ser inaugurada no Brasil. A primeira filial da marca norte-americana foi fundada há três anos em São Paulo, que tem hoje 11 unidades. Na sequência, foram abertas outras no Rio de Janeiro, Brasília e Florianópolis”. Este esporte é algo muito novo no país, mas está se expandindo. Quando abrimos nossa academia, há um ano e meio, não imaginávamos que alcançaríamos a média de 230 alunos matriculados, sendo 50% deles do público feminino”, diz Leonardo.

 

 
   
   

Uma delas é a ortodontista Luciana Rohlfs, 39 anos. Casada e mãe de dois filhos, ela exibe o corpo definido, mas conta que para manter a forma o segredo é ter muita disciplina e dedicação. “Pratico lutas há quatro anos e musculação há oito. Mesmo assim, o CrossFit se tornou uma prioridade em minha vida, porque os resultados são reais e muito rápidos”. Também adepta do treinamento, a educadora física Carolina de Paula Wendling, 25 anos, explica que a prática do CrossFit  ajuda a perder peso, traz definição muscular e ganho de massa magra. “É realmente um treinamento completo; e o melhor, sem monotonia”, afirma.

 

Ricardo Valadares Valério Calderaro, advogado de 64 anos, se surpreendeu: “Com o CrossFit houve uma melhora total no meu condicionamento físico. Hoje, me sinto preparado para qualquer desafio”
 
 

Foi em busca da adrenalina do treino pesado que o publicitário Tiago Palhares, 30 anos, abandonou as academias tradicionais e encarou os desafios do CrossFit. Com os tendões do joelho e do ombro rompidos em consequência de uma queda, ele chegou a pensar que não conseguiria mais praticar os exercícios. “Para minha surpresa, não sinto nenhuma dor e até a minha postura corporal melhorou. Hoje, me sinto totalmente motivado e já acordo pensando em qual será a atividade do dia.” E garante: “Estou completamente viciado pelo treinamento. Não falto mais a nenhuma aula”.

 

Últimas notícias

Comentários