Mágica de design

por Fábio Doyle 09/10/2012 10:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
None (foto: Divulgação)

Acrescentar alguns milímetros no comprimento, largura e altura, geração após geração, aumenta o espaço interno e o conforto, mas quase sempre resulta em um visual externo sem graça. Na nova geração do Golf apresentada na Europa, a Volkswagen usou alguns truques para evitar esse dilema. O resultado: um novo Golf mais comprido, mais largo e também mais sexy que o antecessor. A aparência mais esportiva é o resultado de uma menor distância do solo em relação ao modelo anterior. A VW conseguiu isso com a redução da linha do teto e da distância do solo em 28 mm, sem alterar o espaço interno vertical. O autor da proeza é o designer Walter De’Silva, que dispensa apresentações.

 

Davi X Golias

 

 
 

Quando um carro pequeno colide com um maior, o menor é o que tem mais problemas. A constatação é confirmada pelo último teste de colisão feito pelo Adac – Allgemeiner Deutscher Automobil-Club, maior clube automotivo da Alemanha e da Europa. Porém, há uma exceção: nesse confronto entre Davi e Golias, o Smart Fortwo foi o único carro pequeno capaz de evitar ferimentos de alta gravidade (trauma toráxico severo) ao motorista. O teste normal do EuroNCAP, mais conhecido do público, simula uma colisão frontal entre veículos do mesmo peso. Diferentemente, pela primeira vez o Adac testou quatro modelos pequenos numa colisão com uma barreira simulando um veículo de porte médio.

 

Chrysler em BH muda de mãos

 

A Minasmáquinas, única concessionária Mercedes-Benz em Minas Gerais, está finalizando negociações para transferir a parte Chrysler do negócio a outro grupo empresarial. A informação está ainda cercada de segredos. Sobre o empreendedor que assume, sabia-se, até o fechamento desta edição, que já é do ramo, e a nova marca será mais uma entre as que ele representa na cidade.

 

Agora são duas

 

Coincidência ou não, a Auto Trek, nova concessionária das marcas Chrysler, Dodge, Jeep e Ram em BH, abriu suas portas no mês passado. O showroom já está pronto e o de pós-vendas está finalizando sua estrutura de oficina, devendo começar a operar neste mês. A Auto Trek é do grupo comandado por Luiz Cláudio Poças Gonçalvez, que representa também as marcas Nissan, com a Misaki, e Renault, com a Valence.

 

Brasil é outra coisa

 

O presidente da Renault, Olivier Murguet, incluiu em sua palestra de apresentação da linha 2013 do Sandero e Logan a impressionante diferença entre o custo de transporte de veículos no Brasil e na Romênia, onde a Renault também tem fábrica.

 

Para levar carros de Curitiba a Belo Horizonte, uma distância de 1 mil km, a Renault paga 0,38 euros por km. Da Romênia à França (a distância é de 2 mil km), o preço é de 0,21 euros por km. E as diferenças não param aí. O tempo de entrega do veículo que sai de Curitiba até chegar à concessionária em BH é de 51 dias, ao passo que da Romênia à França é de 31 dias.

 

Lógica chinesa

 

Fabricantes chineses continuam ameaçando construir fábricas no Brasil, mas suas atitudes e declarações só confundem os observadores e governantes que tentam atrair esses investimentos. A Geely, um desses potenciais investidores, que mandou representantes sinalizarem essa intenção, deu, por meio de seu vice-presidente para exportações, Zhang Lin, a seguinte declaração a uma revista chinesa: “Nossa planta no Uruguai irá vender para o Brasil, assim como para a Argentina. Nós estamos também pesquisando o mercado brasileiro com a ideia de dar início à produção local. Mas o Brasil é um mercado complexo. O governo brasileiro está neste momento ajustando sua política automotiva. O Brasil tem também um sistema de impostos complexo. Do ponto de vista estratégico, o Brasil será um importante mercado para nós”.  Se dá para confundir, para que simplificar?

 

Classe B segunda geração

 

 
 

O mês automotivo começa com o lançamento da segunda geração do Mercedes Benz Classe B. Mais baixo e com posição dos assentos mais vertical, ele chega com quatro opções de motorização a gasolina e transmissão de dupla embreagem e manual. O fabricante anuncia um Classe B mais aerodinâmico e econômico. O consumo das versões a gasolina B180 e B200 é de quase 17 km/l, o que representa melhoria de 12% em relação ao anterior. Para o Brasil, apenas duas versões estarão disponíveis: o B 200 turbo, com preço de R$ 115.900, e o B 200 turbo sport, por R$ 129.900.

Últimas notícias

Comentários