Doutor gadget

por Alysson Lisboa 09/10/2012 11:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação, Maíra Cabral
None (foto: Divulgação, Maíra Cabral)

Quer saber como está sua pressão sanguínea, taxa de glicose? Ou, ainda: desconfia que está com febre? Então tire o smartphone do bolso e confira você mesmo. A empresa alemã Medisana comercializa uma série de dispositivos que podem ser acoplados ao telefone para ajudar a autogestão da saúde. O CardioDock, por exemplo, mede a pressão arterial e mostra um histórico dos dados. O GlucoDock, disponível para iPhone, iPod touch e iPad, mede o nível de glicose no sangue. O dispositivo custa 99 euros e a caixa com 50 kits, 24 euros. Basta que o paciente plugue o dispositivo ao celular e tire uma amostra de sangue. O resultado sai na hora e os dados armazenados a cada medição podem ser enviados diretamente ao médico. Para gerenciar todas as funções, basta instalar o aplicativo VitaDock gratuitamente pela App Store.

 

Iphone seco

 

Quem é applemaníaco até debaixo d'água tem mais um motivo para comemorar. Acaba de ser lançado a LifeProof Case. A capa para iPhone que protege o equipamento contra água pode ser a salvação para aqueles que não têm muito cuidado com o aparelho. A empresa Lifeproof comercializa o produto em diversas cores por US$ 79.  Conheça mais acessando: www.lifeproof.com.

 

Passeio virtual

 

Depois de mapear as ruas das principais cidades do mundo, o Google Street View quer entrar nos estabelecimentos comerciais para um passeio virtual. O serviço será cobrado na mesma modalidade do Google Adwords, ou seja, por cada vez que o usuário entrar na loja. Disponível por enquanto somente nos Estados Unidos, a empresa não informa quando a novidade vai desembarcar no Brasil.

 

Tempo de startups I

 

BH foi sede do 1º Papo de Startup, promovido pela comunidade Beved, uma organização online de interação offline em que qualquer pessoa pode aprender ou ensinar habilidades. Nesse encontro, o público compartilhou experiências com sócios e possíveis investidores sobre o relacionamento com seus usuários e clientes. O encontro também serviu para quem pretende gerir negócios na área da tecnologia e inovação. O fundador da empresa, Matt Montenegro, pretende trazer a BH workshop sobre como testar e validar uma ideia com no máximo R$ 2 mil. No evento, serão mostradas técnicas de como conceber, testar e validar se uma ideia pode se tornar um negócio de sucesso. Informações: www.beved.com.br.

 

Tempo de startups II

 

 
 

A Endeavor, organização sem fins lucrativos com escritório em Minas Gerais e presente em 11 países, desenvolve ações como promoção de eventos de capacitação, realiza encontros em BH e fomenta o desenvolvimento de startups. Para Rodolfo Zhouri (foto), coordenador da Endeavor em Minas, “existe um longo caminho entre o empreendedor, com seu modelo de negócio, e o grande investidor, que detém o capital para tornar o empreendimento um caso de sucesso”. O Brasil tem 27 milhões de empreendedores, ficando atrás somente da China e dos Estados Unidos. Mais da metade do total tem entre 25 e 44 anos.

 

Tapete inteligente

 

 
 

Cientistas da Universidade de Manchester, no Reino Unido, desenvolveram um tapete capaz de identificar e prevenir quedas. Com fibras óticas e sensores, o equipamento identifica os passos em tempo real. Caso as informações mudem repentinamente e a pessoa caia no chão, o tapete emite um alerta. O equipamento foi desenvolvido especialmente para idosos. As quedas representam 50% das internações hospitalares para pessoas acima de 65 anos. O piso foi apresentado em uma conferência em setembro e os cientistas acreditam que a tecnologia poderá ser utilizada também para identificar o modo como a pessoa caminha, podendo detectar, inclusive, problemas posturais e prevenir doenças motoras.

 

De olho na balada

 

Desenvolvido pelo paulistano Renato Vieira, o site baladacam.com.br disponibiliza imagens ao vivo  de bares, casas noturnas e restaurantes espalhados pelo mundo. Segundo o idealizador do projeto, a ideia surgiu a partir da carência de uma ferramenta que informasse ao usuário de internet a situação ao vivo e em tempo real desses ambientes. O site, que estava em português, teve de ser traduzido para o inglês para aumentar a visibilidade. Quanto à privacidade e direito de imagem, Renato diz que nunca teve problema com isso. Segundo ele, quando os clientes ficam sabendo que estão sendo filmados até se sentem mais seguros. O dono do site revela que há muitos empresários interessados em instalar a novidade em BH. O custo para instalação e transmissão das imagens varia muito. Uma instalação completa com 10 câmeras, por exemplo, pode custar de R$  20 mil a R$ 100 mil. No site, o bar mais visitado é o Schooner, na Flórida, e o mais famoso é o pub inglês Belushis.

 

 

Últimas notícias

Comentários