Diamantina em sabores

por Blima Bracher 10/10/2012 14:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eugênio Gurgel, Geraldo Goulart, Divulgação
None (foto: Eugênio Gurgel, Geraldo Goulart, Divulgação)

História, música, artesanato e gastronomia: o que a terra de Juscelino Kubitschek tem de melhor estará reunido, de 9 a 18 de novembro, na 3ª edição do Festival de Gastronomia e Cultura Diamantina Gourmet (foto). Desta vez, a cidade traz o foco para os chefs locais e ingredientes do Vale do Jequitinhonha: “Queremos valorizar e qualificar a comunidade”, diz Eliane Felício, produtora do evento. Além da culinária, o festival homenageia os 40 anos do Clube da Esquina, que, segundo Márcio Borges, um dos integrantes, “tem Diamantina como roteiro etílico sentimental”. Os nomes dos pratos são inspirados em sucessos como Paisagem da Janela, nome do prato do restaurante Meio Tom; e Nada Será como Antes, do Recanto do Antônio. Também participam os restaurantes Gringos, Garimpeiro, Espaço B, Al Arabe, Apocalipse, Diamante Palace, Relíquias do Tempo, Deguste, Veveco e Fino Trato. Idealizado pela Associação Diamantinense das Empresas Ligadas ao Turismo (Adeltur), o evento tem promoção cultural do jornal Estado de Minas, da TV Alterosa e a Guarani FM como rádio oficial. O festival faz parte das ações do Minas + Viva, uma criação dos Diários Associados.

 

Saindo da moita

 

 
 

Quem aguardava a inauguração do Na Mata Café vai finalmente ter a oportunidade de conhecer a nova casa de Lourdes, inspirada nos moldes da matriz paulista. Os sócios Fernando Júnior, Felipe Santiago e Antônio Toledo (foto) apostam no sucesso do restaurante-lounge, com direito a balcão, mesas, sofás e até um espaço com o sugestivo nome “Na Moita”, com capacidade para 280 pessoas, prometendo agitar a noite na capital. As tardes serão mais tranquilas, mas não menos interessantes, com direito a aulas de gastronomia ministradas pelo talentoso chef Carlos Pita e pela jovem Júlia Martins.

 

Festival de linguiças

 

 
 

Um júri feminino terá a difícil missão de eleger a melhor linguiça de BH. A competição faz parte do 1° Festival de Linguiças do Armazém Medeiros (foto), que comemora quatro anos de sucesso na capital mineira. Nos dias 20 e 27 de outubro, o evento promete movimentar a casa em Lourdes, com direito a voto dos presentes. Ao custo de R$ 40 por pessoa, dá direito à degustação do prato principal, além de outros tira-gostos, cervejas, água e refrigerante. Dentre os seis chefs convidados para mostrar seus dotes, digamos “linguiceiros”, já confirmaram presença Guilherme Melo (Hermengarda); Bruno Albergaria (Oak); Beto Haddad (Bangkok); e Felipe Rameh.

 

Marmitinha chique

 

 
 

A famosa marmita de pedreiro ganhou releitura gourmet e faz sucesso na choperia Albano’s. A ideia de colocar almôndegas recheadas com requeijão de barra (R$ 26) em uma peça de alumínio, com direito a embrulho de pano chita, foi da criativa chef  Paula Cardoso (foto). “Nossa intenção é dar uma cara bem mineira ao cardápio”, diz.

 

Os 15 da pampulha

 

 
 

Até 28 de outubro, acontece a terceira edição do Circuito Gastronômico da Pampulha. É possível votar na melhor casa e prato: Anella (Mignonnette, R$ 36); BHendito (Frango Grogotó, R$ 28);  Burgueria (Burgueria Cream Cheddar, R$ 26,70); Cocana (Divino Cordeiro, R$ 38); Maria das Tranças (Filé com Fritas, R$ 19,90); Matusalém (Moqueca de Siri Catado, R$ 36); O Barco (Bobó de Camarão, R$ 39,90); Paladino (E aí Truta!?, R$ 39);  Parrillero (Patagônico, R$ 38); Quintal (Codorna do Cerrado, R$ 35); Butiquim Seu Jorge (Picanha a Bezerra, R$ 29,50); Sushinoto (Hot Filadélfia, R$ 19,50);  Tudo na Brasa (Entrecôte Café Paris, R$ 34,90); Vila Rica (Gnochi Vila Rica, R$ 39) e Barolio (Filé de Dourado do Mar, R$ 40, foto). Para acompanhar, cervejas Backer, como a Três Lobos American Pilsen, medalha de bronze na 2ª Copa Cervezas de América, realizada no Chile.

Últimas notícias

Comentários