O bruto sofisticado

por Ailton Magioli 12/12/2012 08:46

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
Chevrolet fecha o ano de bons lançamentos com chave de ouro (foto: Divulgação)

Depois de um ano cheio de novidades para o mercado e total atualização de sua gama de veículos, a Chevrolet fecha 2012 com o TrailBlazer. O novo “Blazer”, que nada tem a ver com o modelo antigo lançado em 1995, equivale a uma versão SUV da atual S10. Sem opcionais, o carro apresenta somente uma versão topo de linha, a LTZ, e duas opções de motor: o 2.8 turbodiesel, por R$ 175.450, e o com bloco 3.6 V6, por R$ 145.450 – esta com potência de 239 cv.

 

O TrailBlazer traz de série freios ABS com EBD, transmissão automática de seis marchas, controles de tração e estabilidade, ar-condicionado digital com quadro de saídas traseiras e controle traseiro. O airbag protege todos os passageiros e “corre” o veículo em forma de cortina. Estão também disponíveis computador de bordo; piloto automático com comandos no volante; rodas aro 18; sistema premium de som, incluindo rádio doubledin com CD Player, MP3 e Bluetooth; quatro tomadas de 12V; e sistema de tração 4x2 e 4x4 High/Low, que é acionado eletronicamente por meio de um seletor no painel, dispensando alavanca e permitindo trocas com o veículo em movimento.

 

Interior é espaçoso e moderno: os comandos, altura, domínio ao volante e visibilidade vão agradar aos motoristas
 
 

“É um carro forte e pronto para ser desafiado. Fomos além em muitos pontos, como no design robusto, suspensões, acabamento e estabilidade”, diz o presidente da GM América do Sul, Jaime Ardila. O investimento compensa e o carro encara bem – se for para uso em estradas de terra e terrenos no melhor estilo off-road, recheados de buracos, pedras, lama e áreas montanhosas. Para uso no asfalto, estabilidade, conforto e agilidade não faltam, mas nas grandes metrópoles as proporções generosas do SUV agressivo não ajudam no deslocamento, trânsito intenso, estacionamento e garagens. Nesse caso, outros modelos do mesmo porte, mas com design mais primoroso, podem deixar o consumidor em dúvida.

 

 
 

Para até sete pessoas divididas em três fileiras de bancos, o espaço interno é um ponto positivo e tem centímetros a mais em largura, comprimento e altura ao se comparar com a Toyota Hilux SW4 (R$ 181 mil) e a Land Rover Range Rover (R$ 175 mil), comportando bem os adultos naqueles dois últimos temidos assentos (devido à traseira mais volumosa e alta). O utilitário oferece ainda diversas opções de inclinação dos bancos, fazendo com que o porta-malas varie de 235 litros (com todos os lugares ocupados) a mais de 1.800 litros com os assentos traseiros rebatidos.

 

Os comandos, altura, domínio ao volante e visibilidade vão agradar ao motorista. Mas alguns detalhes internos deixam a desejar na primeira conferida, como o acabamento do porta-copos quando puxado no painel, além do compartimento de plástico entre os dois primeiros bancos. Este, bem que merecia cobertura acolchoada e em couro para eventual apoio de braço – tudo para as longas viagens a que a potência e o conforto do carrão convidam.

Últimas notícias

Comentários