Mulheres na roda I

por Bertha Maakaroun 17/01/2013 07:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/DA Press, Geraldo Goulart, Lúcia Sebe/Imprensa MG/divulgação, Cláudio Cunha
None (foto: Juarez Rodrigues/EM/DA Press, Geraldo Goulart, Lúcia Sebe/Imprensa MG/divulgação, Cláudio Cunha)

Se, na estrutura do Tribunal de Contas do Estado (TCE), quatro dos sete procuradores do Ministério Público já são mulheres, pela primeira vez na história da instituição, criada em 1935 pela Constituição Mineira, ela será presidida também por uma mulher. Será em 20 de janeiro a posse de Adriene Barbosa de Faria Andrade (foto), de 48 anos, para um mandato de dois anos.

 

Mulheres na roda II

 

Considerando o rodízio da Mesa da Casa e a aposentadoria compulsória aos 70 anos, por sua idade, Adriene será também o primeiro membro do TCE com possibilidade de voltar a se sentar à presidência por mais de uma vez para um biênio completo.

 

Bola de neve

 

A dívida de Minas com a União fechou em R$ 63,4 bilhões em 31 de dezembro de 2012, o equivalente a quase o dobro da receita corrente líquida do estado no ano, de R$ 33,3 bilhões. Se nada for feito, em 2038, prazo para a quitação, Minas desembolsará R$ 153,8 bilhões para saldar a dívida original de R$ 14,88 bilhões, fundada em 1998. O crescimento cavalar é obra e graça do indexador adotado – o Índice Geral de Preços (IGP-DI), mais taxa média de juros de 7,3% ao ano.

 

 
 

Verde na Copa

 

Para a Copa do Mundo, a meta é alcançar o plantio de 54 mil árvores até 2014. Vasco Araújo (foto), secretário municipal de Meio Ambiente, fecha as contas de sua gestão. Iniciada em outubro de 2011, na primeira etapa já foram 18 mil. Entre outubro e dezembro de 2012 foram mais 36 mil árvores, afirma Araújo, explicando o Programa BH Mais Verde.

 

Bomba desarmada

 

O secretário de estado da Fazenda, Leonardo Colombini (foto), inicia o ano em franca articulação para melhorar a proposta de renegociação da dívida do estado com a União, encaminhada ao Congresso por meio do Projeto de Lei Complementar 238/2013. “Quando o recesso parlamentar terminar, nossa emenda ao projeto do governo federal já estará lá”, diz. Juros de 2% e a redução do comprometimento, hoje de 13%, para 9% da receita corrente líquida do estado é o pleito de Colombini. Nesse ritmo, Minas terá pagado, em 2038, R$ 108 bilhões. Já a proposta do governo federal é de juros de 4%, com a troca do indexador, que passaria a ser o Índice de Preço do Consumidor Ampliado (IPCA) ou a taxa básica Selic. Por essa regra, Minas pagaria, até 2038, R$ 133,2 bilhões.

 

 
 

Toma lá

 

Estão em pauta na Câmara Municipal vários projetos que alteram a legislação urbanística e que envolvem muitos interesses financeiros. Além disso, e mais importante no campo político, é o projeto que autoriza a PBH ao financiamento de R$ 800 milhões com o Banco do Brasil. É dinheiro para atender às pequenas obras que não entraram no Orçamento Participativo, embora importantes para as comunidades mais carentes. Melhor moeda de troca de Marcio Lacerda com os vereadores do que esta não há.

 

 
 

Mão firme

 

Ela tem 44 anos, 27 dos quais na Polícia Militar de Minas Gerais. No comando da 3ª região, com sede em Vespasiano, a coronel Cláudia Araújo Romualdo (foto) não apenas reduziu, nos 22 municípios integrados, os índices de criminalidade em relação a 2011, como também fechou 2012 com chave de ouro, após conter, no fim de dezembro, um princípio de rebelião na Penitenciária de Pedro Leopoldo. Um grupo de detentos rendeu e manteve agentes penitenciários como reféns, em tentativa frustrada de fuga. Após uma longa noite de negociação, a confusão foi dominada. “A melhor estratégia é o trabalho em equipe e os oficiais acompanhando na rua o desempenho das tropas”, explica.

 

Revés elétrico I

 

No contexto das mudanças do setor elétrico, o diretor de Relações Institucionais e Comunicação da Cemig, Luiz Henrique Michalik, avalia que para 2013 a empresa terá queda de receita apenas na área de transmissão. São 5 mil km de linhas que saem das usinas e chegam a 30 subestações. Numa área em que o custo de operação da Cemig já é bastante enxuto, serão necessários ajustes, segundo ele, com cortes de 20%. “O custo para operar é de R$ 160 milhões. Vamos receber R$ 140 milhões”, avalia. A Cemig não pretende fazer demissões. Buscará sinergia com outras empresas para se readequar à nova realidade.

 

Revés elétrico II

 

Na área de geração, a Cemig optou por não renovar 18 concessões de usinas, por considerar que o pagamento de R$ 25 o megawatt indicado pelo governo federal não lhe dá condições de fazer a operação segura. Esses contratos vencem, entretanto, a partir de 2015. Para as usinas de Jaguara, Miranda e São Simão, cujos contratos de concessão terminam este ano, a Cemig pleiteia a renovação pela antiga regra. Se preciso for, o Judiciário será o limite.

 

Bye bye partidos...

 

Os primeiros projetos que o prefeito Marcio Lacerda (PSB) enviará à Câmara Municipal serão o termômetro do relacionamento, que se anuncia difícil, com o Legislativo. Leo Burguês (PSDB), que continua no comando, derrotou Henrique Braga (PSDB), candidato acordado entre socialistas e tucanos. Como acertos institucionais com os partidos não funcionaram bem para Lacerda na eleição da Mesa da Câmara, interlocutores do Executivo avisam: a negociação dos projetos será feita caso a caso, com os vereadores, depois de discutida com as entidades representativas da sociedade.

Últimas notícias

Comentários