Vale a pena ver de novo

por Rafael Campos - Revista do Correio 23/01/2013 10:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nidin Sanches/Nitro, Hamilton Flores, Melissa Oliveira, Danilo Mendes, Guto Muniz, Paulo Lacerda, Divulgação
Inês Peixoto em cena de Till, a Saga de um Herói Torto: um dos espetáculos com a grife do Galpão (foto: Nidin Sanches/Nitro, Hamilton Flores, Melissa Oliveira, Danilo Mendes, Guto Muniz, Paulo Lacerda, Divulgação)

Às vésperas de completar quatro décadas de história, a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança está com suas cortinas escancaradas, para levar ao público 154 peças em dois meses de exibição. Há espetáculos de dança, drama e infantil, sem faltar, claro, boa dose de comédia, gênero responsável por arrebanhar a maior parte do público para as salas. Das 10 peças mais procuradas nos primeiros dias de festival, oito são do gênero.

 

É o caso da peça Acredite, um Espírito Baixou em Mim, que a cada ano coleciona recordes de público. Há 14 anos a peça lidera o ranking das mais procuradas na campanha. “Recebemos um toque dos deuses, uma energia impressionante. E temos ainda um cuidado excessivo com o espetáculo, renovamos o cenário, o figurino e os efeitos”, afirma o ator Maurício Canguçu, que ao lado de Ílvio Amaral protagoniza a comédia. “É como se fosse a primeira vez. Parece mais uma grande brincadeira entre nós e o público”, diz Amaral, que abusa dos improvisos e da interação com a plateia.

 

Outra que não fica atrás é Como Sobreviver em Festas e Recepções com Buffet Escasso, que sempre bate ponto no festival. “O espetáculo se renova toda noite. Não existe uma receita de sucesso, mas sempre tratamos nosso público com respeito e carinho”, diz o ator Carlos Nunes. Para ele, que participa do festival com outro espetáculo de sucesso, Pérolas do Tejo, a campanha também é uma oportunidade de despertar no público o senso crítico, diante de tantas e tão  diversificadas opções.

 

A relevância da campanha será traduzida em um livro que deve ser lançado no próximo ano, em seu aniversário de 40 anos. Outra boa notícia é que a campanha foi indicada para receber o título de Patrimônio Cultural Imaterial, consolidando e enraizando a festa do teatro em BH. “O evento vem acompanhando a história das artes cênicas da capital”, afirma Rômulo Duque, presidente do Sindicato dos Produtores de Artes Cênicas (Sinparc), produtor da campanha. “O evento se transformou na alta temporada do teatro mineiro, mas lutamos para que ela se estenda para o resto do ano”, diz. Para o diretor Pedro Paulo Cava, o festival teve um papel importante na mudança do perfil dos espectadores. “Percebemos que pessoas de todas as classes sociais estão frequentando as salas o ano inteiro”, afirma Cava, uma das pessoas que ajudaram a trazer para a capital a então Campanha das Kombis – antigo nome do evento –, idealizada no Rio de Janeiro na década de 1970. O diretor também marca presença nesta edição com o clássico Morte e Vida Severina, no Teatro da Cidade.

 

A torcida é para que a procura alcance ou até ultrapasse os 350 mil ingressos vendidos no ano passado. Uma das principais estreias, no entanto, tem entrada franca e será ao ar livre. A atriz Andreya Garavello encarna Medeia, personagem da tragédia grega de Eurípides. Batendo na tecla da novidade, Andreya se diz entusiasmada com o retorno à campanha. Sua última participação foi em 2006, com a comédia Fulaninha e Dona Coisa. “Tivemos de estudar a construção de palavras novas, outras que nem usamos mais e até as obras de Guimarães Rosa para a nova montagem”, afirma. E, para quem ainda se mostra resistente a esse tipo de peça, ela manda um recado: “A tragédia grega ainda é mal compreendida, vista como sendo algo pesado; mas há momentos para o respiro e a leveza”, diz. Portanto, há opções para agradar a gregos e troianos!

 

10 motivos para ir ao teatro

 

Um roteiro de sugestões de espetáculos para adultos e para crianças em cartaz na campanha

 

 
 

Acredite, um Espírito Baixou em Mim

 

Ílvio Amaral e Maurício Canguçu, atores conhecidos do público mineiro, levam a plateia a dar boas gargalhadas na história em que um homem machista (Maurício Canguçu) recebe o espírito de um  homossexual, vivido por Ílvio Amaral. E é aí que reside o motivo do sucesso: atores que sabem improvisar e manter o espetáculo sempre atualizado.

 

Minascentro – Teatro Topázio (av. Augusto de Lima, 785, Centro), até 17 de fevereiro. De quinta a sábado,às 21h; domingo, às 18h, exceto dias 7 e 14 fevereiro. Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, Centro), de 22 a 24 de fevereiro, sexta e sábado, às 21h; domingo, às 20h

 

 
 

Como Sobreviver em Festas

 

e Recepções com Buffet Escasso Carlos Nunes comanda mais um sucesso de bilheteria que também se renova a cada ano – o que não é fácil, para uma montagem que estreou há 13 anos –, motivando o público a sempre repetir a dose. É na verdade um curso de autoajuda e ensina a plateia a não passar em branco em festas com pouca comida. No final, o público leva um certificado.

 

Teatro Sesiminas (rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia), até 27 de janeiro, quinta a sábado, às 21h; domingo, às 19h. Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, Centro), dias 19 e 20 de fevereiro, terça e quarta-feira, às 21h

 

 
 

Perigo, Mineiros em Férias!

 

É outra peça que sempre aparece entre as mais procuradas na bilheteria. Há 13 anos em cartaz,
o espetáculo conta a história de uma família mineira que vai passar as férias no litoral. A peça tem a direção de Rogério Falabella e já realizou mais de 700 apresentações em Minas e em outros estados.

 

Teatro UNI-BH (rua Diamantina, 567, Lagoinha), até 3 de fevereiro, quinta e sexta-feira, às 21h; sábado, às 18h30 e 21h; domingo, às 20h. De 15 de fevereiro a 3 de março, sexta e sábado, às 21h; domingo, às 20h 

 

 
 

10 Maneiras Incríveis de Destruir seu Casamento

 

A segunda peça mais assistida da última edição da campanha, perdendo apenas para o Acredite, um Espírito Baixou em Mim. O espetáculo mantém seu vigor por retratar de maneira divertida e irônica os principais motivos que acabariam com qualquer matrimônio.

 

Teatro Monte Calvário (av. Contorno, 9.384, Prado) até 3 de fevereiro, terça a sexta-feira, às 20h30; sábado, às 21h; domingo, às 19h, (3 de fevereiro, às 20h). De 7 de fevereiro a 3 de março, quinta e sexta-feira, às20h30; sábado, às 21h; domingo, às 19h.

 

Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, Centro), dia 5 de fevereiro, às 21h

 

 
 

Os Saltimbancos

 

É sempre bom rever este premiado musical de Chico Buarque. A cada ano, o espetáculo continua emocionando crianças e adultos por todo o país. Não é para menos que a trupe aparece sempre
entre as mais procuradas. Diversão garantida com muitas canções e sapateado.

 

Teatro Icbeu (rua da Bahia, 1.723, Lourdes), até 27 de janeiro; quinta a domingo, às 17h. De 2 de fevereiro a 3 de março (exceto 9 e 10 de fevereiro), sábado e domingo, às 17h

 

 
 

Medeia

 

A tragédia grega de Eurípides faz sua estreia na campanha. Se a chuva não atrapalhar, o espetáculo será apresentado ao ar livre, já que o sol terá participação importante. Foram necessários três anos para a confecção da peça, devido à complexidade da tradução. Vale a pena conferir.

 

Teatro de Arena do Parque das Mangabeiras (av. José do Patrocínio Pontes, 580, Mangabeiras), dias 26 de janeiro e 2 de fevereiro (sábados), às 16h. Entrada franca

 

 
 

Assunta Brasil - Música, Humor e Poesia

 

Saulo Laranjeira é um espetáculo à parte e atrai grande público por onde passa. O cantor e ator mescla humor, poesia e música, mostrando seus principais personagens, como o deputado João Plenário, que faz parte do A Praça é Nossa, do SBT/Alterosa.

 

Teatro Alterosa (av. Assis Chateaubriand, 499, Floresta), até 27 de janeiro. De quinta a sábado, às 21h; domingo, às 20h. Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro), dia 28/2, às 21h

 

 
 

Tio Vânia (Aos que vierem depois de nós)

 

O premiado Grupo Galpão está com duas peças. Tio Vânia (foto), faz parte do projeto Viagem a Tchékhov. Till, a Saga de um Herói Torto marcou a volta do grupo ao teatro de rua. 

 

Sesc Palladium (rua Rio de Janeiro, 1.046,), até 27/1, quinta a sábado, às 21h; domingo, às 19h, Till, a Saga de um Herói Torto: Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537), de 31/1 a 3/2 (exceto dia 2). Quinta e sexta, às 21h; e domingo, às 19h 

 

 
 

Morte e Vida Severina

 

Um clássico de João Cabral de Melo Neto que continua encantando as mais diferentes gerações. Vale a pena rever o espetáculo, que desde 2011 está vivo no Teatro da Cidade e é dirigido por Pedro Paulo Cava.

 

Teatro da Cidade (rua da Bahia, 1.341, Centro), até 3 de fevereiro, de quarta a sábado, às 20h30; domingo, às 19h. De 15 de fevereiro a 3 de março, de quinta a sábado, às 20h30; domingo, às 19h

 

 
 

Tudo Que se Torna Um

 

A dança também tem lugar cativo na campanha e a boa opção é curtir o espetáculo da Companhia de Dança do Palácio das Artes. No palco, música e poesia. A montagem que estreou em 2011 caminha por estilos variados como clássicos, modernos, experimentais e contemporâneos.

 

Grande Teatro do Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, dias 2 e 3 de março. Sábado, às 20h30; domingo, às 19h.

Últimas notícias

Comentários