Tradição rebatizada

por Blima Bracher 28/01/2013 11:24

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eugênio Gurgel, Pedro Nicoli, Leo Araújo
None (foto: Eugênio Gurgel, Pedro Nicoli, Leo Araújo)

Palco das mais famosas e disputadas festas e eventos, o Automóvel Clube é referência de glamour e requinte na capital mineira. O já tradicionalíssimo restaurante da casa foi recentemente batizado de Bon Apetit, em jantar  promovido pelo diretor social Franklin Bethônico. Quem assina o menu é o chef  Nélio Eustáquio (foto), que destaca pratos como Camarão Thermidor – camarão grelhado com molho branco, mostarda, champignon e arroz de castanhas (R$ 88) –; Filé Suíço – filé mignon gratinado no queijo e presunto, molho branco, palmito e aspargos (R$ 59) –; ou Fetutine Alfredo – talharim cozido com molho branco, champignon e presunto flambado na vodca (R$ 40). A casa abre para almoço executivo durante a semana, tem sistema à la carte à noite e abriga festivais gastronômicos e comemorações para grupos. Destaque para o sofisticado serviço com baixelas inglesas de prata e cristais.

 

 
 

GPS da branquinha

 

Até 3 de fevereiro Belo Horizonte recebe a 5ª edição do Festival Cachaça Gourmet. São 40 restaurantes participantes, e cada um deles elaborou um prato com uma marca diferente de cachaça. O Jardim de Minas, por exemplo, traz a Rabada Envergonhada, que leva a cachaça Velha Aroeira; o Folha Gourmet apresenta o Joelho de Porco Fumê, feito com aguardente Menina Branca; o Maria Fumaça criou o Costelinha Maria Fumaça (foto), com a marca Barreiras. A melhor criação será eleita pelo público e por um júri especializado. “O objetivo é que o projeto se expanda para o interior e também para outros estados, alcançando todo o Brasil”, diz Miriam Cerutti, idealizadora do evento. Este ano será oferecida ao público a Rota da Cachaça, passeio com o objetivo de apresentar o processo de produção e envelhecimento das principais cachaças mineiras.

 

 
 
 

Rótulos espanhóis

 

Prestes a completar 24 anos de história na capital mineira, a Casa Rio Verde comemora a entrada de 2013 com oito unidades na cidade, duas delas inauguradas em 2012, e planeja abrir mais uma neste início de ano. Com portfólio exclusivo de vinhos, a importadora aposta nos cursos e em parceria com vinícolas do Velho Mundo. Entre os destaques está a bodega Borsao, tradicionalíssima produtora espanhola. Fundada em 1958, a vinícola recebeu elogios do conceituado crítico de vinhos Robert Parket, sendo classificada como o melhor custo/benefício do mundo na última edição da revista Wine Advocate. “O propósito maior do investimento nos rótulos espanhóis é apresentar aos nossos consumidores vinhos inusitados, surpreendentes, de alta qualidade e com valor agregado muito superior aos preços de venda”, diz o gerente de importação Haendel Roberto (foto).

Últimas notícias

Comentários