Mesa para um

Amantes da culinária sempre põem suas habilidades em prática quando a casa está cheia, mas há quem não deixe a gastronomia apenas para convidados e faça questão de presentear a si mesmo com tempo na cozinha e pratos sofisticados

por Marina Dias 12/04/2013 13:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Samuel Gê
A gerente de projetos Fabiana Calais não guarda seus dotes culinários apenas para quando tem visitas: "Acho que mereço esse momento só meu" (foto: Samuel Gê)

A gerente de projetos Fabiana Calais está entre os vários belo-horizontinos que amam cozinhar. Desde que fez um curso de culinária, há 10 anos, ela se apaixonou pela prática e nunca mais parou de criar pratos e gostosuras, das mais básicas às mais elaboradas. Mas, ao contrário de alguns gourmands de plantão, ela não reserva seus dotes apenas para momentos em que tem companhia. Fabiana, que mora sozinha, também investe na gastronomia quando não tem convidados em casa e faz questão de sempre se oferecer uma refeição de qualidade, original e à sua medida. No cardápio pessoal estão risotos e carnes com molhos agridoces. “Desde que moro sozinha, tenho de me virar. Eu poderia viver de congelados ou fazer uma comidinha gostosa. Escolhi a segunda opção”, afirma ela, que não poupa esforços em suas refeições. “Sempre uso as mesmas louças, talheres e taças de quando recebo meus amigos. Diferentemente de quem usa o que tem de melhor só para convidados, acho que mereço esse momento só meu”, afirma.

 

O estudante de medicina Otávio Pedrosa também não deixa sua paixão pela culinária de lado, mesmo comendo sozinho com frequência, devido à rotina apertada de último período de faculdade. Segundo ele, as ocasiões em que cozinha para si são ideais para exercer a criatividade total: é quando ele se sente mais livre e elabora novos pratos, aperfeiçoa receitas e harmoniza novos ingredientes. “Não abro mão de ter momentos meus para experimentar, saborear e, principalmente, curtir o ato de cozinhar”, afirma ele, que prepara receitas para si ao menos duas vezes na semana. O estudante costuma optar por massas e saladas, quando o dia está mais corrido, e carnes e frutos do mar quando tem um tempo maior para prepará-los. “Atualmente, meu xodó é um prato semelhante à tradicional bacalhoada portuguesa, utilizando camarão fresco no lugar do peixe”, revela.

Pedro Nicoli
O estudante de medicina Otávio Pedrosa aproveita quando está sozinho para ousar na cozinha: é quando elabora novos pratos, aperfeiçoa receitas e harmoniza novos ingredientes (foto: Pedro Nicoli)


Apesar de a culinária ser mais animada quando feita em grupo, com familiares ou amigos, a facilidade de encontrar produtos em porções para apenas uma pessoa tem incentivado o hábito, segundo Hans Aichinger, coordenador de hotelaria e gastronomia do Senac Minas. “A variedade e a qualidade desses produtos estão crescendo, e o acesso, tornando-se mais fácil”, explica. No entanto, ele ressalta que, como cozinhar tem se tornado mais um hobby do que necessidade, o gosto pela culinária ainda é o principal motivador de quem prepara pratos elaborados, mesmo que só para si. “O mercado de alimentação fora de casa está se expandindo cada vez mais, e para comer em casa sempre existe a opção dos congelados. Entra na cozinha quem realmente tem prazer”, diz. Ainda de acordo com Hans, fora o lazer, outra vantagem de apostar na culinária individual é que, ao preparar a própria refeição, a pessoa pode adaptar a receita apenas a seu gosto. “As pessoas têm necessidade de comer uma coisa diferenciada e caseira. Preparando só para si, o prato fica na medida de cada um”, diz.

Samuel Gê
O estudante de direito Venício Filho dá a dica para quem deseja começar a cozinhar sozinho: "O principal é ter organização, pensar o cardápio e comprar os ingredientes com antecedência" (foto: Samuel Gê)


O estudante de direito Venício Filho topa cozinhar sozinho semanalmente e encara a atividade como um relaxamento, um período em que não pensa em outras preocupações além daquelas relacionadas aos alimentos. “É um tempo em que você se concentra apenas no corte, na limpeza, no preparo da receita; um momento do dia em que você se reserva para aquela prática e sai mais relaxado”, diz, lembrando que a atividade é mais descontraída quando feita individualmente. “Quando cozinhamos para os outros, temos a obrigação de fazer o prato ficar bom. A liberdade de tentar é maior se estamos sozinhos”, afirma.

Venício, que é fã de risoto de camarão e de pratos com salmão, dá a dica para quem está começando agora na culinária para um: “O principal é ter organização. Quando sei que vou cozinhar, penso com antecedência no cardápio e faço as compras com base nisso. Afinal, escolher os ingredientes e ter tudo à disposição requer tempo. Ao me organizar previamente quando me disponho a cozinhar, já tenho tudo lá, não tenho de sair para comprar”, diz.

Paulo Márcio
Cozinhar só para si é um hábito recente da jornalista Marina Maria, que escreveu sobre isso em seu blog: "Acho importante a experiência de fazer coisas gostosas só para mim" (foto: Paulo Márcio)

Mas esse hábito não conquista a todos de primeira. A jornalista Marina Maria, cozinheira de mão cheia, ainda está aprendendo a gostar do processo de elaborar pratos só para si. Apesar de amar a culinária, não tinha ânimo de investir em receitas individuais, motivo pelo qual evitava preparar refeições no dia a dia. No entanto, pela comodidade de conseguir passar em casa na hora do almoço, ela decidiu experimentar. “Para mim, a comida ainda tem um sentido coletivo, de oferta. Mas tem sido importante a experiência de fazer coisas gostosas só para mim”, afirma ela, que tem um blog, o Chá de Bolinha, onde conta suas experiências culinárias. “Em um dos textos, conto quando fiz um creme de shiitake com frango crocante. Tive a sensação de orgulho de fazer algo só para mim, mas também queria compartilhar isso com alguém. O que tenho pensado é que, apesar de a culinária ganhar mais significado quando estou oferecendo, também mereço um prato bacana, na minha medida, já que tenho essa habilidade na cozinha”, diz.

 

Marina diz ser importante investir em alimentos versáteis (como legumes que duram mais e verduras que possam ser usadas em outras receitas depois), ou em receitas que, se feitas em grandes quantidades, possam ser congeladas em porções individuais. “Gosto muito de fazer pratos que vão ao forno, pois tenho tempo para resolver outras coisas até ficarem prontos. Em caso de massas, escolho molhos de preparo mais rápido, que combinam com o tempo de cozimento da pasta”, afirma.

Últimas notícias

Comentários