Novas lideranças

"A sociedade clama por reformas modernas, libertas de preconceitos, uma vez que hoje a qualidade de vida da população e as condições econômicas favoráveis ditam a direção política dos povos"

por Aristóteles Drummond 15/04/2013 14:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
A eleição do prefeito de Barbacena, Antonio Carlos de Andrada (Toninho), para a Associação Mineira de Municípios (AMM) projeta no cenário político mineiro uma nova e crescente estrela. E ele se junta a outras lideranças que obedecem aos valores que fizeram dos mineiros, desde sempre, grandes referências na vida pública do Brasil.

O jovem político tem vocação coerente com o sangue que lhe corre nas veias, com presença ininterrupta na política brasileira desde antes da Independência – o primeiro Antonio Carlos Andrada foi deputado do Brasil junto às cortes em Lisboa. Toninho volta à prefeitura, onde foi o prefeito mais novo do estado, tendo renunciado à cadeira vitalícia de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), um dos mais honrosos e ambicionados cargos. Como deputado estadual, foi líder do governo Aécio Neves e sólido aliado do então presidente da Assembleia de Minas, Alberto Pinto Coelho, hoje vice-governador do estado.

O eleitor mineiro tem tido a intuição de votar bem, identificando valores, mesmo que acima de máquinas partidárias. Em Juiz de Fora, outra revelação é o prefeito Bruno Siqueira, que foi eleito derrotando o candidato do Planalto e outro do Palácio da Liberdade. Contou com seu trabalho como vereador e a estreita ligação de família com Itamar Franco. Ambos herdaram municípios com grandes desafios, agravados pela crise na economia, que é um fato inquestionável na vida nacional. A história da “marolinha” já não cola.

Nesse momento em que se discute o modelo federativo brasileiro, que tem sido uma preocupação do governador Antonio Anastasia colocada em recente encontro na Associação Comercial do Rio, o papel dos municípios começa a ser reavaliado. E com a gravidade das dificuldades para a simples manutenção de serviços essenciais naqueles que não possuem uma economia forte, a entidade que congrega os municípios, com diretoria suprapartidária, de união de interesses, ganha especial destaque. A liderança com um nome do peso político e do desempenho pessoal de Antonio Carlos de Andrada faz a diferença.

A sucessão estadual do próximo ano está encaminhada, consolidado o consenso nas forças majoritárias da ampla base de apoio ao governador Anastasia, no grupo político do senador Aécio Neves, em torno de seu candidato natural, que é o vice-governador Alberto Pinto Coelho. O resto é mera especulação, necessidade de se gerarem fatos para as editorias de política. A verdade é que já passou a serem  identificados quais nomes e quais alianças enfrentarão o candidato da situação. Eleito, como se supõe, Alberto Pinto Coelho não poderá ser reeleito, assumindo o governo em abril do próximo ano.

Salvo um fato especial, a sucessão a ser discutida já é a disputada em 2018, provavelmente entre nomes novos, muitos certamente vindos de experiências exitosas em municípios, em combinação com o jovem time de parlamentares formado em nossos últimos pleitos. O processo democrático pede a avaliação da melhoria na qualidade dos quadros políticos, depois da imensa frustração popular com o que vem ocorrendo nesse suceder de escândalos, de abusos no exercício da função pública. A mudança virá, não apenas na faixa etária, mas com os bem avaliados como gestores e parlamentares.

A sociedade clama por reformas modernas, libertas de preconceitos, uma vez que hoje a qualidade de vida da população e as condições econômicas favoráveis ditam a direção política dos povos. Vivemos a era da comunicação, da velocidade com que os fatos econômicos, políticos e sociais ocorrem, diminuindo o espaço das práticas demagógicas – por mais que o quadro nacional ainda deixe a desejar em termos sociais e existam bolsões que insistem na manipulação do clientelismo, que não se sustentam mais em escala quando não se criam riquezas que suportem os gastos. Esses prefeitos, atentos, estão sabendo de tudo.

Últimas notícias

Comentários