Voto mais seguro

Eleitores de 22 municípios mineiros serão identificados pelo sistema de biometria nas eleições de 2014. Os belo-horizontinos terão de esperar um pouco mais

por Rafael Campos - Revista do Correio 07/05/2013 14:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Eugênio Gurgel
Sensor biométrico evita fraudes: até o fim do ano, pelo menos 450 mil eleitores terão a digital cadastrada em Minas (foto: Eugênio Gurgel)
Quem acompanhou as eleições na Venezuela, que elegeram o presidente Nicolás Maduro em abril, pôde perceber que os eleitores saíam das sessões com o dedo pintado de roxo. O procedimento é utilizado por lá para evitar que os eleitores possam votar mais de uma vez. É muito diferente do que acontece por aqui. O processo eleitoral brasileiro caminha a anos-luz de distância dos vizinhos venezuelanos. A biometria – ou seja, a identificação por impressão digital, bem mais moderna – é a bola da vez para que o processo eleitoral no Brasil se consolide como o mais seguro do mundo. Em Minas, os eleitores das cidades de Senador Firmino, Dores do Turvo e Brás Pires, na Zona da Mata, e Tapira, no Triângulo Mineiro, já começaram a cadastrar suas digitais. Divinópolis, na região Centro-Oeste, será o maior município mineiro a utilizar o sistema nas eleições de 2014.  Lá, o recadastramento começa no dia 15 de maio. As cinco cidades do estado vão se juntar a outras 17 como Curvelo, Pará de Minas, Ponte Nova e São João del-Rei, que já votaram utilizando as digitais em 2012.

Eugênio Gurgel
Antônio Cruvinel, presidente do TRE-MG: "Quem fizer o recadastramento vota; quem não fizer não vota" (foto: Eugênio Gurgel)


Para o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-MG), desembargador Antônio Carlos Cruvinel, uma das vantagens do voto biométrico – além da segurança – é a possibilidade de passar a limpo o número de eleitores ativos. Isso evita, por exemplo, a distorção no controle de abstenções. “Será uma eleição real. Quem fizer o recadastramento biométrico vota; quem não fizer não vota”, diz Cruvinel. Mas ainda não há definição sobre quando Belo Horizonte entrará no sistema. De acordo com o desembargador, já foi enviada uma proposta ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para realizar na capital o recadastramento biométrico de forma ordinária, ou seja, o eleitor poderia cadastrar suas digitais quando comparecesse ao cartório eleitoral – diferentemente das outras cidades, onde acontece uma convocação.

Contudo, mesmo que a medida seja aprovada nos próximos dias, não será possível cadastrar todos os eleitores de BH a tempo das eleições de 2014. Maurício Caldas de Melo, secretário de tecnologia da informação do TRE-MG, explica que a biometria completa o projeto da urna eletrônica, iniciado em 1996. A previsão inicial é de que até 2018 os eleitores de todo o país estejam cadastrados no sistema biométrico.

Últimas notícias

Comentários