O Brasil em miniatura

Cenários em miniaturas, esculpidos com palitos de churrasco e outros materiais reciclados, mostram a variedade cultural e a religiosidade popular

por Fernanda Nazaré 26/07/2013 16:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Geraldo Goulart
Cenário da Festa de Santa Cruz, nas montanhas de Ouro Preto: homenagem à celebração que acontece também em outras cidades do interior de Minas (foto: Geraldo Goulart)
Os olhos devem ficar atentos. Os detalhes são muitos, os personagens são ricos em cores e expressões, mas não passam dos 4 cm de altura. Os minicenários criados pelo artista plástico Willi de Carvalho recriam as belas cenas de festas folclóricas brasileiras e os eventos religiosos típicos do nosso país.

Os brasileirinhos de Willi são esculpidos em palito de churrasco, moldados com porcelana fria e arame. Cada festa de congado, de São João ou cenários interioranos tem um charme mineiro. Nascido em Montes Claros, região Norte de Minas Gerais, o artista aplica as características de cerrado e clima quente às paisagens. A simplicidade do povo fica evidente nas roupas e nos casebres colocados no horizonte. Segundo Willi, a mineiridade de suas obras é mais apreciada por paulistas, cariocas e estrangeiros. “Em Minas, ainda não há uma cultura de colecionar arte, uma pena. Dou muitos cursos e recebo mais encomendas de fora do estado”, diz.

O artista garimpa objetos reciclados e de uma simples caixa de leite pode surgir uma cruz oca que servirá de cenário para mais uma festa religiosa. Quanto mais personagens, mais tempo leva para finalizar uma obra, que pode chegar a mais de um mês de trabalho. As cores são vibrantes e algumas são criadas pelo próprio artista. Carvalho também combina diferentes técnicas como papel machê, amarrações e aplicação de tecidos.

Geraldo Goulart
Bolsas estilizadas: coleção será apresentada em exposição em BH (foto: Geraldo Goulart)
O artista é autodidata. Começou na infância juntando pequenos objetos que encontrava em casa. Fez cursos rápidos de técnicas artísticas e entrou no mercado com pinturas em tela. Chegou a expô-las fora do estado, mas, após ter contato com o artista curitibano Hélio Leites, que produzia esculturas dentro de caixas de fósforo, ele encontrou um novo mestre: “Vamos expor juntos em Ouro Preto”, conta. A série da dupla intitulada Gigantes pela Própria Natureza fez parte do setor de artes plásticas do Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana – Fórum das Artes 2013, no início de julho. No fim do mês, o artista levará seu trabalho para expor em Salvador (BA).

Outras mostras também estão por vir. Para a exposição de moda Eco Chic, do espaço de vivências socioculturais Casa Fora do Eixo Minas Gerais, Willi estilizou bolsas de vários formatos com seus cenários completos em uma plataforma antes inimaginável. São cenas que homenageiam Iemanjá, Arthur Bispo do Rosário, o Vale do Jequitinhonha e as festas populares. O evento ainda não tem data definida. Para agosto, o artista já prepara uma obra para a exposição que será organizada em homenagem ao ex-presidente Tancredo Neves. O local e a data ainda serão definidos.

Últimas notícias

Comentários