O candidato natural

por Aristóteles Drummond 29/08/2013 16:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
O senador Aécio Neves, maior nome da política mineira, com decisiva influência eleitoral e presidindo o PSDB nacional, já anunciou que até o final do ano sua ampla base partidária em Minas terá o nome do candidato para a sucessão estadual. E mais: no fim do primeiro trimestre, haverá uma definição da candidatura ao Senado de seu sucessor, o governador Antonio Anastasia. Um calendário que ele sugeriu a seu partido na última campanha presidencial e que o sr. José Serra não se deu ao trabalho de responder ou comentar.

Eleição para ganhar não pode atropelar o que se convencionou denominar de “candidato natural”, quando ele existe. Este foi, em 1985, o caso da candidatura no Colégio Eleitoral de Tancredo Neves. Ou seria ele o nome, por ser de consenso e da vez, ou não se conseguiria criar a dissidência do PDS, partido que em teoria tinha a maioria do colegiado para a eleição. Candidaturas também não surgem do nada, exceto em casos excepcionais de carisma e capacidade de mobilização popular. Minas, hoje, com essas características de liderança, só tem o ex-governador e hoje senador, que, inclusive, foi decisivo na eleição e reeleição do prefeito Marcio Lacerda (PSB) e na de seu então vice-governador, o hoje governador. Aécio tem o carisma, o trânsito suprapartidário e a liderança.

Muito tem se especulado sobre o nome que manteria unida essa formidável aliança e que pudesse, ao mesmo tempo, contribuir para a candidatura nacional do senador Aécio Neves, carente de aliados que lhe garantam presença significativa no horário eleitoral de rádio e televisão. São todos merecedores das especulações, não estivesse já na mente de todos o nome natural, que é o do vice-governador, Alberto Pinto Coelho. A eleição em Minas será decidida no interior, uma vez que a capital é dividida, aceitando bem nomes alternativos, como foi o formidável desempenho da candidata Marina Silva, em 2010, e de seu companheiro de palanque José Fernando Aparecido.
  
Tratando do tema com discrição e recato, servindo com empenho e absoluta lealdade ao governador e ao líder senador, Alberto Pinto Coelho é o nome preferido pelos prefeitos. Ele tem, também,  grande prestígio na Assembleia de Minas, que presidiu e ajudou a garantir a paz aos mandatos de Aécio. Trânsito partidário singular pelo convívio na coligação há muitos pleitos e integração com as forças vivas da sociedade mineira. Não se trata de uma aventura, muito menos de um coelho saindo da cartola, mas de uma solução sólida, amparada nos serviços prestados e na exemplar carreira ao longo de tantos anos. Além do que, mais de uma vez rejeitou a hipótese de ir para o Congresso, como deputado ou senador, porque nunca quis deixar Minas.
 
Sendo presidente do PP (Partido Progressista) no estado, pode ser decisivo para a integração do partido na aliança nacional, sendo o garantidor do palanque em estados importantes como o Rio Grande do Sul, com a senadora Ana Amélia; em Santa Catarina, com a deputada Ângela Amim; em Goiás, com o ex-governador Alcides Rodrigues; Alagoas, com o senador Benedito de Lira, e por aí vai. No Rio, o senador Francisco Dornelles é sobrinho de Tancredo, com quem trabalhou. Enfim, não pode existir nome mais natural e oportuno. E a marca da confiabilidade e da credibilidade, bases de sua liderança, correta, suave e cordial, como é do gosto mineiro. Enfim, observações destinadas ao grande público leitor, pois Aécio, que é quem decide, sabe disso tudo.
             
O senador Aécio Neves é homem sólido no reconhecimento dos valores e das escolhas. Não errou até aqui, pela equipe que formou na gestão estadual, na escolha do sucessor. Antes, foi o arquiteto das reformas dos mandatos de FHC como presidente da Câmara e como o grande avalista de Luis Eduardo Magalhães. Mostrou que, embora jovem, sabe respeitar as precedências dos mais velhos, como ao colocar a seu lado e ser decisivo na eleição de Itamar Franco para o Senado, em 2010. Minas tem um candidato natural, com substância e cuja vida e formação está naturalmente afinada com a voz das ruas, pela sua imensa capacidade de conciliar e realizar. Quem viver verá!!! 

Últimas notícias

Comentários