Os Robin Hood modernos

Minas é destaque nacional no arco e flecha e, além de conquistar títulos, une gerações apaixonadas pelo esporte

por Daniela Costa 06/11/2013 12:23

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Paulo Márcio
Em dois anos dedicando-se ao tiro com arco, a estudante Barbara Carvalho Campos, de 12 anos, já conquistou troféus e sente os benefícios do esporte. "Acho que me ajudou muito, até mesmo na escola, porque diminui a ansiedade e aumenta a concentração" (foto: Paulo Márcio)

Concentração, força, equilíbrio e uma mira de dar inveja. É assim que os arqueiros mineiros alcançam os mais altos lugares nos pódios nacionais e internacionais. Não por acaso, a Federação Mineira de Arco e Flecha (FMAF) foi a segunda a ser fundada no país e completa 40 anos com o orgulho de ter conquistado o maior número de títulos do Brasil. "Em 2012, fomos mais uma vez campeões por equipes e enviamos o único representante brasileiro no esporte, Daniel Xavier, às Olimpíadas de Londres. Além disso, temos grandes competidores paralímpicos que se destacam no cenário nacional, entre eles, a Cristina Ferber e o Ricardo Macedo", diz Marcos Leão, arqueiro e diretor de comunicação da FMAF.

Paulo Márcio
Renato Pacheco de Oliveira, de 73 anos, entre o filho Alexandre e os netos Rafaela e Arthur: paixão pelo arco e flecha transmitida de geração para geração (foto: Paulo Márcio)

Muito mais que um esporte, o arco e flecha é uma prática milenar usada inicialmente como instrumento de caça. Ficou famosa em filmes como Robin Hood, que mostra a trajetória de um arqueiro inglês conhecido por roubar dos ricos para dar aos pobres. Na vida real, a paixão pelo esporte é transmitida de geração a geração e cultivada por décadas. Em Belo Horizonte, um de seus maiores seguidores é Ronald Leitão, de 75 anos. "Gosto do esporte desde pequeno", diz Leitão. Outro aficionado é Renato Pacheco de Oliveira, de 73 anos, tanto que transmitiu o gosto pelo esporte a seu filho, Alexandre Oliveira, de 44 anos, e aos netos Rafaela, de 20, e Arthur, de 14. "O arco e flecha estreitou ainda mais os nossos laços familiares, unindo gerações sem discriminar ninguém", diz Renato.

Samuel Gê
O mineiro Luciano Vaz Alvarenga, advogado, 38 anos, é um dos quatro melhores arqueiros do Brasil: "Fico feliz por praticar um esporte de que gosto e ainda representar meu estado" (foto: Samuel Gê)

Para se tornar um arqueiro, a primeira medida é ter um bom equipamento. Há dois tipos de arco: o composto, que não pode ser utilizado nos Jogos Olímpicos, nem nos Pan-Americanos, e o arco recurvo, usado em todas as competições da Federação Internacional de Tiro com Arco. Já a flecha é confeccionada em madeira, alumínio, fibra de vidro ou de carbono.  Tanto a flecha quanto suas pontas – que podem ser compradas separadas da haste – são reutilizadas até que se danifiquem.

Samuel Gê
Ronald Leitão, de 75 anos, é um dos pioneiros do esporte em Minas: "Gosto do esporte desde pequeno e, mesmo antes de termos um campo de treinamento, já praticava em casa" (foto: Samuel Gê)

Como em qualquer outro esporte, o arco e flecha requer disciplina, dedicação e muita concentração. O diferencial é que pode ser praticado por pessoas de qualquer idade. Em cada exercício o atleta dispara seis flechas no tempo máximo de quatro minutos e existem regras específicas para a prática. Em apenas dois anos se dedicando ao tiro com arco, a estudante Barbara Carvalho Campos, de 12 anos, já conquistou troféus, entre eles, o de campeã na categoria infantil do Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil. "O esporte me ajudou muito, até mesmo na escola, porque diminui a ansiedade e aumenta a concentração", diz. Um dos grandes competidores mineiros, o advogado Luciano Vaz Alvarenga, de 38 anos, também coleciona títulos, entre eles, o de campeão brasileiro 2013 na categoria Indoor, e figura entre os quatro melhores arqueiros do Brasil. "Fico muito feliz por praticar um esporte de que gosto e ainda representar meu estado, mesmo com toda a dificuldade que temos de encontrar patrocínio e da falta de incentivo do governo". Apesar dos obstáculos, a Federação Mineira de Arco e Flecha se prepara para sediar o 39º Campeonato Brasileiro de Tiro com Arco neste mês, dos dias 11 a 16 de novembro, com um grande evento que, além de promoter grandes conquistas, visa comemorar suas quatro décadas de existência.

Últimas notícias

Comentários