Agulhadas do alívio

Conheça a prática milenar chinesa usada contra dor, artrite e até TPM que está servindo para encurtar o tempo de tratamento de atletas de alta perfomance

por João Paulo Martins 06/11/2013 15:36

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Samuel Gê
O médico Hildebrando Sábato faz a aplicação das agulhas na educadora física Maria Aparecida Bernucci, que se tornou adepta da prática: "A gente sente o equilíbrio entre o físico e o emocional", diz a paciente (foto: Samuel Gê)

Principal estrela do Atlético e maestro do time na conquista da Taça Libertadores da América, Ronaldinho Gaúcho provocou comoção na torcida quando anunciou, há um mês, que uma lesão grave na coxa esquerda poderia deixá-lo de fora da disputa do Campeonato Mundial de Clubes, que o Galo disputará no mês que vem no Marrocos. E voltou a causar surpresa ao confirmar que, para ajudar na recuperação, traria o acupunturista Fumio Takahashi, que já o havia tratado na Europa e teve sob seus cuidados nada menos que o melhor jogador do mundo, o argentino Lionel Messi, do Barcelona. O tratamento parece ter dado certo – Ronaldinho já tem sido visto batendo bola no centro de treinamento do Galo. Seja como for, a decisão do craque voltou a jogar luzes sobre a acupuntura, técnica milenar oriental – e que conquista cada vez mais adeptos no país.

Que o diga a educadora física Maria Aparecida Pereira Bernucci. "Considero a acupuntura parte da minha vida", conta, animada, ao ser questionada sobre sua experiência com a especialidade médica que surgiu na China há mais de três mil anos. Como é de se esperar, por sua profissão, prática de esportes e atividades físicas são recorrentes na rotina de Maria Aparecida – bem como as lesões: "Já tive várias, mas a mais grave aconteceu na coluna, na região lombar. Foi nessa época, há quase quatro anos, que comecei a receber acupuntura". Hoje, a educadora física, que se considerava hiperativa e incapaz de parar para fazer uma sessão de acupuntura, diz que, durante o relaxamento alcançado com as agulhas, chega a cochilar. A prática chinesa se tornou uma aliada contra as dores e verdadeiro auxílio à fisioterapia. "A gente sente o equilíbrio entre o físico e o emocional", completa.

Os brasileiros, assim como Maria Aparecida, só tiveram o primeiro contato com a acupuntura no início do século XX, quando o uso das agulhas com intuito medicinal chegou ao país através dos imigrantes japoneses. Até 1995, porém, ela não era reconhecida como prática médica. Hoje, o país conta com 10 mil profissionais, que utilizam a técnica em diversas áreas, como na ginecologia, no tratamento dos sintomas da tensão pré-menstrual; na reumatologia, contra artrites; e até na psiquiatria, para alívio de enxaquecas e no combate à depressão. "A acupuntura, hoje, é uma das seis especialidades médicas que têm atuação direta na dor, especialmente a crônica, de difícil tratamento", diz Hildebrando Sábato, médico acupunturista e presidente do Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura.


Para se ter ideia da eficácia dessa prática, um estudo publicado pela revista norte-americana Archives of Internal Medicine, realizado com cerca de 18 mil pacientes, comprovou que a acupuntura é indicada no tratamento da dor crônica para os casos de lombalgia, osteoartrite e cefaleia. "Quando se ativa o ponto, são liberadas substâncias neurotransmissoras que agem desde o local dolorido, passando pela coluna vertebral, até o sistema nervoso central", explica Hildebrando. O que pouca gente sabe é que a acupuntura se vale de outros meios além da agulha: eletroacupuntura (com corrente elétrica),  sonoacupuntura (com ondas sonoras), acupressão (com os dedos), moxabustão (com queima de erva) e cupping (com jarros ou xícaras aquecidos).

O craque do Galo está recebendo tratamento principalmente para a cicatrização do músculo. "No caso do Ronaldinho, a acupuntura ajuda em diversos fatores, especialmente na cicatrização do músculo distendido e na diminuição de dores", explica Fumio Takahashi, que mora há 50 anos no Brasil. Para o médico do Atlético, Rodrigo Lasmar, a técnica é eficiente e foi usada nos cinco primeiros dias do tratamento da lesão, mas é apenas um auxílio: "O principal tratamento para a recuperação do Ronaldinho é a fisioterapia", garante.

Últimas notícias

Comentários