Paredes que falam

Pendurar quadros pela casa exalta a personalidade e as aspirações do morador. Não há regras fixas para a composição, mas algumas dicas ajudam a criar um conjunto harmônico

por Guilherme Torres 10/12/2013 16:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Daniel Mansur/Arquivo Pessoal
(foto: Daniel Mansur/Arquivo Pessoal)
 
 
 
Quadros avulsos salpicados pelos ambientes sem causar nenhum impacto são comuns em muitas casas, mas juntos eles têm o poder de atrair olhares por compor uma decoração prática, criativa e muitas vezes cheia de história. A graça e o charme estão na mistura, que forma um belo arranjo de quadros. Apesar de não haver receita para montar uma parede, há conceitos que facilitam e resultam em um ambiente singular. Um deles é fazer um arranjo de quadros formando um grande retângulo ou quadrado. Esse formato mais convencional tem como ponto de partida a colocação dos quadros maiores e os demais espalhados simetricamente no entorno. Eles podem ser totalmente diferentes entre si ou ter as molduras da mesma cor, tamanho ou ainda fazer parte de uma mesma série de pinturas ou fotos. Não há como errar. 
 
Daniel Mansur
(foto: Daniel Mansur)
 
 
 
O arquiteto Luis Fábio Rezende preza por simetria em suas composições, mas diz que não existe regra na escolha das obras. “Acho, inclusive, interessante a mistura entre os tipos de telas. Obras mais valiosas ao lado de novos artistas, fotografias misturadas com pinturas, esculturas intercaladas entre as telas. É liberdade total, e vale telas com e sem molduras, com fechamento em vidro ou não”, diz. Usar, junto aos quadros, obras de arte, tais como esculturas, e objetos incrementa o layout de maneira positiva, chama a atenção e torna evidente a personalidade de quem vive ali. Outra ideia é alinhar a base e deixar livres as molduras nas laterais e na parte superior. Saindo do quadrado, há também a possibilidade de composições em eixos focados em linhas verticais e horizontais, para espaços com larguras ou alturas limitadas. Espaçar as obras de maneira simétrica é importante para quem quer um aspecto final mais homogêneo. Já quadros apoiados em prateleiras ou móveis dão um efeito despojado e proporciona mudanças fáceis e rápidas sempre que o morador quiser. 
 
Henrique Queiroga/Arquivo Pessoal
(foto: Henrique Queiroga/Arquivo Pessoal)
 
 
 
Jomar Bragança
(foto: Jomar Bragança)
 
 
Arquivo pessoal
(foto: Arquivo pessoal)
 
 
Daniel Mansur
(foto: Daniel Mansur)
 
 

Últimas notícias

Comentários