Pietro Sportelli

Ele veio da Itália para o Brasil querendo ser jogador de futebol. Acabou construindo a maior empresa de autopeças do país, que em 2013 comprou a Automotiva Usiminas

por Pabline Félix 06/01/2014 17:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Samuel Gê
Pietro Sportelli, presidente da Aethra: "Eu gosto de tudo muito benfeito, quase perfeito. É isso o que explica meu sucesso" (foto: Samuel Gê)
O italiano Pietro Sportelli chegou ao Brasil sonhando ser jogador de futebol, mas foram os carros que o fizeram deixar sua marca por aqui. Em 1959, desembarcou no Rio de Janeiro disposto a se tornar uma estrela dos gramados, mas não demorou a desistir da ideia. "A concorrência com os brasileiros era muito grande", diz. Decidiu viajar pelo Brasil em busca de oportunidades. Não gostou de São Paulo, nem do Norte do país. Veio conhecer Belo Horizonte, onde planejava "passar três meses", antes de seguir rumo ao  Canadá. Ele não contava, contudo, com as armadilhas do coração.

Conheceu, "quase por acaso", a mineira Gilma de Lima Gomes, com quem se casou. Montaram juntos, em 1974, uma serralheria, valendo-se do ofício de "carpinteiro metálico" que Pietro adquiriu na Itália. A pequena oficina ganhou sua chance de ouro quando o italiano percebeu que a Fiat andava insatisfeita com seus fornecedores de São Paulo. Batizou a empresa de Aethra (deusa da qual a luz emana, na mitologia grega – escolha de Gilma) e passou a trabalhar para os conterrâneos. 

Hoje, a Aethra é a maior indústria de autopeças do país e principal fornecedora das grandes multinacionais, como Volkswagen, Renault, Ford, Mercedes-Benz e Nissan, além da Fiat. "Eu gosto de tudo muito benfeito, quase perfeito. Esse é o meu diferencial e a única explicação para o sucesso", diz Pietro. 

A paixão pelo futebol não foi esquecida, mas remodelada: hoje existe na forma de  conselheiro do Cruzeiro Esporte Clube, time de tradição italiana e que enche de brilho os olhos de Pietro. "Tenho ou não motivos para me orgulhar?", pergunta. 
A Aethra tem hoje 4,2 mil empregados espalhados por dez unidades no Brasil (cinco em Minas Gerais) e uma no exterior (Córdoba, na Argentina). Vai faturar R$ 1 bilhão em 2013. Para alcançar esse tamanho, a companhia adquiriu concorrentes ao longo de sua história. A mais recente aquisição foi a da Automotiva Usiminas, de Pouso Alegre (MG), em junho de 2013, ao custo de R$ 210 milhões. "Tenho dois lemas: estar sempre com olhar atento às  oportunidades e trabalhar duro", diz Pietro. 

Pai de dois filhos adultos, Rafael e Ana Paula, a "carreira" deste italiano começou cedo: aos 4 anos de idade, ele quebrava carvão em oficina na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. Trajetória que teve reconhecimento público: em 2013, recebeu o título de Industrial do Ano, concedido pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). "Fiquei surpreso e muito feliz", diz. "O Brasil ainda é o país das oportunidades." Concorrentes, ponham as barbas de molho!
 
Perfil:
 
Pietro Sportelli
Nascido em Putignano (Itália)
74 anos, casado, dois filhos
Graduado em design industrial pelo Instituto Emílio Goeli di Putignano (Itália)
Presidente do Grupo Aethra

Últimas notícias

Comentários