Joel Ayres

Em 2013, sua empresa executou projetos em mais de 30 grandes empreendimentos, incluindo 12 shoppings, 13 hotéis e 3 estádios de futebol. Resultado: a Jam tornou-se a maior do Brasil em ar-condicionado

por João Pombo Barile 07/01/2014 14:18

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


João Carlos Martins
Joel Ayres gosta de atender os clientes pessoalmente: "Eu não vendo ar-condicionado. Vendo confiança" (foto: João Carlos Martins)
Quem conversa com o empresário Joel Ayres da Motta Filho tem a sensação de estar falando com um legítimo construtor. Ele é do tipo que adora lamber as crias e sair enumerando suas obras Brasil afora, assim como fazem os engenheiros. "Você já foi visitar o CCBB, na praça da Liberdade? Foi obra nossa. Ficou lindo", afirma ele. "E a Cidade Administrativa, a torre digital em Brasília e a Arena Manaus?" Não, ele não tem uma firma de engenharia, mas a maior empresa de ar-condicionado do Brasil. Trata, contudo, seus projetos como verdadeiras obras, razão pela qual batizou a empresa de Jam Engenharia de Ar Condicionado.

Joel é um empresário com estilo peculiar: faz questão de lidar com a clientela  sempre com muito calor (ainda que seu negócio seja refrigerar ambientes). "Fala, meu chefe". É assim que costuma atender ligações dos clientes. "Em Minas, somos desconfiados. Os clientes querem falar comigo", diz ele. "E pode ter certeza: sempre falam". Para Joel, não importa se o contrato é padrão, como o de um prédio comercial, ou se traz os desafios de uma obra delicada (como o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, construído em Itaboraí). Ele sempre está lá. "Costumo dizer que, para nós, mineiros, não existe CNPJ, existe CPF", diz, convicto de  que seu estilo é a receita de seu sucesso. "O contato pessoal é intransferível." 

Em 2013, a Jam aumentou seu faturamento em 20% e fechará o ano com R$ 180 milhões. Somente neste ano, foram 13 hotéis, 12 shopping centers, 10 prédios comerciais, três estádios de futebol – incluindo o Mineirão – e três hospitais. Na indústria petrolífera, também assina o projeto da Refinaria do Nordeste, que está sendo construída em Ipojuca, na região metropolitana do Recife. 

Não bastasse o crescimento interno, a Jam também vem se aquecendo para disputar o mercado internacional. Para isso, mantém um escritório em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. A motivação para investir fora do Brasil veio em 2009, quando a empresa foi eleita pela Springer Carrier (a maior fabricante de ar-condicionado do planeta) uma das cinco melhores do setor no mundo. Para o empresário, que começou o negócio em 1991, quando poucos se aventuravam na área e hoje soma 1.300 obras, a explicação para o crescimento é simples: "Não vendo ar-condicionado. Vendo confiança". 

Há dez anos, a Jam descobriu novo filão de mercado, a locação de ar-condicionado. A ideia surgiu por acaso, para atender a uma emergência no Shopping Cidade, no centro de BH. Desde então, passou a oferecer os equipamentos por valor mensal fixo e ampliou a carteira de clientes. "Se todo mundo alugava carro e computador, pensei: por que não ar-condicionado?", afirma. E assim, de cliente em cliente, os negócios de Joel andam cada vez mais aquecidos. "Fala aí, meu patrão!"
 
Perfil:
 
Joel Ayres da Motta Filho
Nascido em Belo Horizonte (MG)
47 anos, casado, três filhos
Graduado em engenharia mecânica pela PUC Minas
Diretor executivo da Jam Engenharia de Ar Condicionado 

Últimas notícias

Comentários