Que tal um piquenique?

Febre em outras décadas, esse tipo de lazer está de volta aos parques de BH. Vale até mesmo reunir a criançada para comemorar aniversários

por Rafael Campos - Revista do Correio 07/01/2014 15:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.


Samuel Gê
Giovanna, Isadora e Lucas com a mãe, Alexandra, no Parque Marcos Mazzoni: uma das maiores vantagens é o encontro ao ar livre e o contato com a natureza (foto: Samuel Gê)

Le Déjeuner sur l’Herbe ou O Almoço sobre a Relva é uma das pinturas mais famosas do francês Édouard Manet (1832-1883). A obra clássica, com dois homens e uma mulher sentados na grama ao lado de frutas, mostra que o piquenique é uma tradição secular, muito comum nos tempos de reis, rainhas e príncipes. A prática volta e meia ressurge como alternativa para quem deseja um programa diferente para encontros com a família, os amigos e até para a comemoração de aniversários. Nos últimos meses, os belo-horizontinos resolveram contribuir para o ressurgimento da clássica união de cesta de comida e bebida com toalha quadriculada. E cenário perfeito é o que não falta.
 
A professora de inglês Andrea Fregnani não perde um só encontro no Parque Ecológico Marcos Mazzoni, no bairro Cidade Nova, região Nordeste de BH. Toda terça-feira, a partir das 17h30, amigos e vizinhos se encontram para jogar conversa fora e curtir um lanche saudável e, sobretudo, agradável. Tudo ocorre como manda o figurino. Cada um traz quitutes e bebidas para serem compartilhados. São bolos, sucos, pães de queijo, pipoca e por aí vai. Nesse encontro, os protagonistas são as crianças, que se esbaldam ao ar livre. "É ótimo para trazer os filhos, pois a área é bem grande e eles podem se divertir com segurança", diz Andrea, que escolheu o parque para o aniversário da filha Alice, de 3 anos. Um bom pretexto para um piquenique é o horário de verão, que estende o dia até por volta das 19h. Mas e se chover? "A chuva não atrapalha, apenas quando cai aquele temporal é que temos de adiá-lo", diz Andrea. 
 
A publicitária Flávia Pellegrini também é adepta dos piqueniques. Ela faz questão de comemorar as festas da filha, Cecília, de 3 anos, em parques da capital. "É prático, pode envolver toda a família nos preparativos e tem um custo menor do que uma comemoração tradicional. Sem falar que as crianças podem brincar à vontade, pisar, rolar e correr na grama. Podem sujar-se sem preocupação", diz. Flávia e a também publicitária Míriam Barreto criaram o blog www.napracinha.com.br, que surgiu para "resgatar o prazer de se brincar ao ar livre pela capital mineira". 

A economista Alexandra Bastos Vieira, mãe de Lucas, de 5 anos, Giovanna, de 3, e Isadora, de 1, acha que o piquenique fortalece a amizade entre a garotada. "Sem contar que é ao ar livre. É importante para as crianças esse contato com a natureza", diz.
 
Samuel Gê
Andrea Fregnani com a filha Alice, de 3 anos, no parque do Cidade Nova: "É ótimo trazer os filhos, pois a área é bem grande e eles podem se divertir com segurança" (foto: Samuel Gê)
Vivian Fernandes/divulgação
Flávia Pellegrini e o marido, Thiago, na festa do aniversário da filha, Cecília, no Parque Cássia Eller: "O custo é menor que uma comemoração tradicional" (foto: Vivian Fernandes/divulgação)
 
 
Além do Parque Ecológico Marcos Mazzoni, no Cidade Nova, Flávia indica os parques Ecológico da Pampulha e o Renato Azeredo, no Palmares, como ideais para a prática. A praça Floriano Peixoto, no Santa Efigênia, mantida pela Unimed-BH e eleita em 2013 uma das áreas verdes mais bem cuidadas de BH, também é sempre lembrada. 
 
André Fungui, chefe do Departamento de Parques Sudeste da Fundação de Parques Municipais, confirma a volta dos piqueniques às áreas verdes de BH. "A prática no Parque das Mangabeiras e no Parque da Serra do Curral aumentou visivelmente, o que demonstra que os parques estão sendo muito bem aproveitados na sua importante vocação de lazer, descanso e contemplação", diz. Ainda de acordo com o representante da Prefeitura de BH, é importante que o público recolha o lixo, respeite o patrimônio físico do espaço e não alimente os animais que possam "visitar" o lanche. Então, é só se divertir! 
 
Foto: Fernando Lutterback/Divulgação
(foto: Foto: Fernando Lutterback/Divulgação)
 

Últimas notícias

Comentários