Não deixe seu animalzinho sofrer com os fogos de artifício

Com a audição muito mais aguçada que a dos humanos, os pets sofrem com fogos de artifício e buzinas e podem até ficar doentes. Durante a Copa do Mundo, eles precisam de cuidados especiais

por Daniela Costa 10/06/2014 17:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Samuel Gê
A estudante Michelle Hallais e os cães Lola, Nina e Kira: "Vamos assistir os jogos juntinhos. Com amor e carinho, não há medo que resista" (foto: Samuel Gê)
Fogos de artifício, cornetas, apitos, buzinas e, claro, uma multidão de vozes gritando ao mesmo tempo. Nos jogos da Copa do Mundo, a euforia é certa e o barulho também. O que para as pessoas é uma maneira de comemorar, para os animais de estimação é uma verdadeira tortura. Com a audição quatro vezes mais aguçada que a dos humanos, os pets sofrem profundamente com o excesso de ruídos, e até mesmo animais saudáveis podem vir a óbito. "O excesso de estresse por conta do barulho pode provocar edema pulmonar agudo, extremamente fatal", diz a veterinária Simone Paulino, da Clínica Pet Zoo.

O pânico é tanto que o índice de animais desaparecidos nesses períodos é grande. Assustados e tentando se proteger, alguns fogem e acabam sendo atropelados. Para evitar tantos transtornos e garantir o bem-estar dos animais, algumas técnicas podem ser utilizadas. Fazer uma boa caminhada com o cão antes do jogo ajuda a relaxar e a deixá-lo mais tranquilo. Em casa, a recomendação é verificar se todas as portas e janelas estão trancadas, para evitar fuga, especialmente dos gatos. Criar ambientes aconchegantes, com alguns esconderijos do tipo cabanas ou casinhas acolchoadas ajuda a abafar o ruído externo. Também contribui ligar a televisão ou colocar uma música suave. "Também aconselhamos retirar móveis de vidro e objetos pontiagudos que possam resultar em acidentes", diz Ceres Faraco, veterinária da Comac (Comissão de Animais de Companhia do Sindan).

Além de redirecionar o foco do animal com petiscos e brincadeiras, a presença do dono é muito importante para lhe transmitir segurança. Caso isso não seja possível, o ideal é deixar roupas com o cheiro do proprietário junto a ele. Para aqueles que aguardam muitas visitas, a dica é associar a presença de estranhos a coisas positivas. Nos dias que antecederem os jogos, peça a amigos para visitá-lo levando agrados para o seu bichinho. Em alguns casos, o uso de calmantes é recomendado, mas somente com orientação do especialista. A recomendação é dar preferência para os medicamentos homeopáticos e fitoterápicos, como os florais. "Os calmantes são indicados para reduzir o estresse de animais muito ansiosos e agitados. Mas o seu uso deve ser moderado", diz o veterinário Manfredo Werkhauser, da Clínica São Francisco de Assis.

Ansiosa pela Copa, mas também preocupada com os seus três cãezinhos – Lola (pretinha SRD de 8 meses), Nina (SRD de 4 anos) e Kira ( weimaraner de 5 anos) –, a estudante Michelle Hallais, de 22 anos, sabe bem o que fazer para proteger seus animais de estimação. "Vamos assistir os jogos juntinhos. Com amor e carinho, não há medo que resista".

Últimas notícias

Comentários