Leve, solto e sem queda

As mulheres também sofrem com a perda acentuada de cabelos, que pode levar à calvície. As causas são várias, incluindo até decepção amorosa. Mas há como prevenir

por Daniela Costa 11/06/2014 14:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Stockxpert
(foto: Stockxpert)
Há quem pense que calvície é problema só de homens. Está enganado. Mulheres também podem ser surpreendidas com a queda intensiva dos cabelos. Aos 21 anos, a consultora técnica Elisângela Batista levou um susto quando notou que seu cabelo estava ficando ralo. O uso constante de produtos químicos e escovas feitas rotineiramente provocaram a queda dos fios, afetando principalmente as áreas frontal e da nuca. "Meu couro cabeludo chegou a ficar exposto", conta ela. Para disfarçar, Elisângela cortou as madeixas pela metade e passou a usar somente rabos de cavalo e coques. "Foi realmente assustador. Até encontrar o tratamento adequado, tive uma perda considerável de cabelo, tempo, dinheiro e saúde emocional. Fiquei totalmente abalada", diz Elisângela. Seu sofrimento só teve fim quase um ano depois, quando começou a utilizar técnicas para conter a queda. Usou medicamento aplicado diretamente no couro cabeludo, xampu anti-inflamatório, fez massagens locais, aplicações de laser e adotou dieta balanceada. "Hoje, não tenho mais falhas no cabelo", diz.
 
Os motivos da calvície feminina são vários (veja quadro). A mais comum é a chamada alopecia androgenética. "Esse tipo de calvície acomete principalmente os homens, por possuírem níveis de hormônios masculinos mais elevados, mas as mulheres também são vítimas", explica Marcela Mattos, dermatologista da Clínica Speciale.
 
Segundo o cirurgião plástico Marcelo Pitchon, especialista em transplante capilar, pesquisas apontam que cerca de 40% a 50% das mulheres desenvolvem algum grau de calvície ao longo da vida. "É comum ocorrer após a paciente ter tido decepção amorosa, perdido algum ente querido, ter tido problemas no trabalho e até sofrido fortes agressões físicas como em acidentes e cirurgias graves", explica.
 
Mas, na maioria das situações desse tipo, segundo Pitchojn, os cabelos voltam a crescer naturalmente. No caso dos produtos químicos, o uso constante só será prejudicial se danificar o couro cabeludo diretamente. "Quando apenas os fios são atingidos, os bulbos capilares não são prejudicados e o cabelo não perde sua capacidade de crescimento", diz o especialista.
 
Samuel Gê
A consultora técnica Elisângela Batista teve calvície devido ao uso excessivo de produtos químicos e hoje faz tratamento com laser: "Fiquei totalmente abalada" (foto: Samuel Gê)
Três meses após a primeira gravidez, a cabeleireira Anne Araújo, de 33 anos, surpreendeu-se. "Usava black power e ao fazer um rabo de cavalo me assustei. Tive queda considerável na região das têmporas", diz ela. Confiante de que o problema era passageiro, não deu muito atenção ao fato. "Depois, percebi que o meu couro cabeludo estava todo à mostra", diz. A partir daí, buscou ajuda especializada e iniciou o tratamento. Já na segunda gravidez, quatro anos depois, optou pela prevenção. "Ainda tomo suplementos vitamínicos e faço as massagens."

A dermatologista Simone Helena da Silva, especialista em doenças do cabelo, explica que a queda de fios após a gravidez é comum. "Por volta do quarto mês após o parto, independentemente de a mulher estar amamentando ou não, os fios cairão em consequência da alteração hormonal. A duração varia de três meses a um ano", diz Simone. A queda de cabelo também é comum na terceira idade. "Eu sempre tive muito cabelo, mas, depois que completei 60 anos, começou a cair muito, chegando ao ponto de comprometer a minha aparência", diz Ana Lucia de Castro Duarte, de 64 anos.  Vaidosa, hoje Ana comemora o sucesso do tratamento. "Retomei minha autoestima", diz.

Uma grande aliada ao combate da queda dos fios é a dieta balanceada. Alguns alimentos, como os carboidratos e refinados, são verdadeiros vilões no processo hormonal. "O consumo de alimentos como pães brancos, doces e massas provoca excesso de produção de óleo na pele e o enfraquecimento do folículo capilar", explica o nutricionista Felipe Vieira França. "É interessante que, no almoço e jantar, o prato seja repleto de couve, brócolis, rúcula, agrião, além de boas proteínas magras como peixes. Outra dica é acrescentar amêndoas aos lanches."

Conheça causas e tratamentos da calvície


O que é:
a calvície feminina, chamada cientificamente de alopecia feminina, é a perda gradativa dos cabelos

Causas:
estresse, situações que tenham provocado alta carga emocional,  doenças como distúrbios da tireoide, alterações hormonais, infecções graves e neoplasias

Tratamento:
medicamento tópico no couro cabeludo, xampu anti-inflamatório, massagens locais, dieta balanceada e aplicações de laser

Prevenção:
alimentação balanceada, rica em nutrientes como ferro (carne e feijão), magnésio (folhas verde-escuras), zinco (peixes e frutos do mar) e aminoácidos como glicina (gelatina), arginina (melancia) e leucina (amêndoas). O consumo do flavonoide Apigenina, encontrado na salsinha, também é indicado. Dica: suco de melancia com couve, salsinha e colágeno ou gelatina

Últimas notícias

Comentários