A nova cara do "centrão"

Impulsionada pelas obras do Move, vias importantes do hipercentro de BH, como as avenidas Paraná e Santos Dumont, ganham ares de modernidade e já podem figurar como novos cartões-postais da cidade

por Rafael Campos - Encontro BH 17/12/2014 19:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Marcos Michelin/D.A. Press Samuel Gê/Encontro
Em um dos vários jardins da avenida Santos Dumont, os operadores de telemarketing Darlen dos Santos Gonçalves, de 20 anos, Bruna Jaqueline da Silva, de 24, e Cristina de Sá Rocha, de 37, descansam durante o horário de almoço. Na avenida Paraná, a promotora de vendas Aline de Souza, de 25 anos, segue em direção ao trabalho pela calçada central da via. Já Vera Lúcia Morais, de 63 anos, aposentada, aguarda a chegada de uma amiga sentada em um dos bancos de concreto da rua Rio de Janeiro. Tais cenas seriam surreais em um passado bem recente, no qual o hipercentro de Belo Horizonte não era tão convidativo assim. Inúmeras linhas de ônibus, comércio irregular e desorganizado, além da sensação de tumulto formavam o cenário da região. É, o "centrão" da capital mineira está bem mudado.

Geraldo Sávio Paiva, de 59 anos, é proprietário há 20 anos de uma loja de calçados na rua Rio de Janeiro, entre as ruas Tamoios e Goitacazes. Por isso, conhece bem o antes e o depois da requalificação pela qual a via passou em 2007. "As vendas até aumentaram. Antes, era muito confuso, por causa de ambulantes e toreros", diz Geraldo, que também mora no quarteirão há 28 anos.

Não são apenas os pequenos lojistas que comemoram a nova fase do hipercentro. Há 23 anos na região, o Shopping Cidade – com acesso pelas ruas São Paulo, Goitacazes, Rio de Janeiro e Tupis – também está nesse bolo. A fachada do prédio ganhou novo layout para acompanhar as melhorias no entorno. "Investimos R$ 30 milhões em 2008. E o retorno foi muito positivo, pois trouxe conforto e mais segurança aos nossos clientes e demais pedestres", diz Carolina Vaz, gerente de marketing do shopping.

Juarez Rodrigues/D.A. Press Samuel Gê/Encontro
Outras duas vias representam bem a nova atmosfera da região central: as avenidas Santos Dumont e Paraná. Quem não se recorda dos congestionamentos, sobretudo, em horários de pico, a sujeira e a confusão provocada pelo comércio irregular nessas vias? Hoje, a cena é bem diferente. Os corredores ganharam cara nova para receber as estações do Move. Resultado: vias mais limpas e agradáveis até para um passeio. Quem compartilha dessa avaliação é a professora de matemática Maria de Fátima Gonçalves, de 45 anos. Ela mora na rua da Bahia e aproveitou a folga do trabalho para ir ao Centro Cultural da UFMG, na avenida Santos Dumont. "Antes, tinha até medo de passar por aqui, pois era muito cheio de gente e os criminosos aproveitavam para agir", afirma.

Afinal, está, de fato, mais seguro caminhar pelo hipercentro? Para o major Gedir Rocha, subcomandante do 1ª Batalhão da Polícia Militar, responsável pela área central, sim. "As ruas e avenidas revitalizadas receberam nova iluminação e ficaram mais limpas. Somado a isso, temos a ajuda das câmeras do Olho Vivo. São ações integradas que ajudaram a diminuir a criminalidade na região", diz. Para o militar, quando órgãos públicos, como a prefeitura, Polícia Militar e a sociedade organizada se juntam, as ações dão resultado.

As intervenções na área central foram iniciadas em 2005, quando a prefeitura entregou a reforma da praça Sete, incluindo os quatro quarteirões fechados que cercam o famoso Pirulito. As obras fizeram parte do Programa Centro Vivo, que chegou com a proposta de trazer de volta os moradores para o centro. Foi o caso de Vera Lúcia Morais, que se mudou para a região e hoje não a troca por nada. "Além de ter tudo perto, aproveito as novas opções culturais, como o Sesc Palladium e o Cine Brasil", diz.

Samuel Gê/Encontro
Comerciante Geraldo Sávio: "As vendas até aumentaram. Antes era muito confuso, por causa de ambulantes" (foto: Samuel Gê/Encontro)
O movimento esperado de retorno dos moradores ao centro já pode ser notado, segundo Leonardo Castro, secretário municipal adjunto de Planejamento Urbano. De acordo com Castro, o emblemático edifício conhecido como "Balança Mas Não Cai", na avenida Amazonas com rua Tupis, representa esse cenário. "Está sendo concluído o processo para o prédio se transformar em hotel", revela o secretário. O objetivo da PBH é fazer com que a região central da cidade tenha vida noturna. "Vamos trazer a vivacidade de outras áreas, como Lourdes e Santo Agostinho, também para o hipercentro", diz.

O mercado imobiliário também se aqueceu na região. Cássia Ximenes, vice-presidente da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG), acredita que os negócios na região se tornaram promissores. "A valorização é real. Ultrapassa a casa dos 20%", diz. "A partir das melhorias e de outras que estão por vir, posso afirmar com tranquilidade que os investidores do hipercentro vão conseguir o retorno esperado."

Para Vitor Diniz, presidente da Associação dos Moradores e Amigos da Região Central (Amarce), o centro voltou a ser valorizado. Contudo, ainda há muito o que fazer. "A praça da Rodoviária, por exemplo, merece uma revitalização, que pode acontecer se o projeto do Centro Administrativo da PBH sair mesmo do papel", afirma. Outra preocupação do morador é com os prédios abandonados, que acabam atraindo atividades ilícitas. Para Diniz, finalmente, o centro, com 18 mil moradores, passou a fazer parte também do crescimento e melhorias da cidade. "O hipercentro é palco não só da vida de seus moradores, mas sim de todo cidadão mineiro", diz.

Últimas notícias

Comentários