Operação barriga chapada

Está na moda o uso do chamado seca-barriga e dos suplementos queimadores de gordura para acabar com pneuzinhos indesejáveis. Especialistas explicam a diferença entre eles e alertam sobre o uso excessivo

por Daniela Costa 10/06/2015 11:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
JC Martins/Encontro
A psicóloga Danielle Ramos, de 31 anos, não demorou para eliminar os 18 kg que ganhou na gravidez: "Malho e mantenho dieta equilibrada. Estou satisfeita com o resultado" (foto: JC Martins/Encontro)
A rotina de atividades da odontóloga Renata Coursin, de 44 anos, é puxada, mas ela diz que vale a pena. Além do trabalho no consultório, todos os dias pela manhã, ela corre 10 km, malha na academia com acompanhamento de personal trainer e ainda conta com a orientação de nutricionista. Para otimizar ainda mais a queima das indesejáveis gordurinhas, especialmente na linha da cintura, aposta na ingestão de produtos termogênicos – popularmente conhecidos como seca-barriga – e dos suplementos chamados queimadores de gorduras. O resultado é um corpo sarado sem nenhuma intervenção cirúrgica. “Não acredito em milagres, mas sim em treino e dedicação. Os termogênicos sozinhos não trazem resultados”, diz.

Comercializado na versão natural ou industrializada, em farinha, chá ou cápsulas, o seca-barriga consiste basicamente na mistura de fibras solúveis e insolúveis, acrescidas de alguns alimentos funcionais, entre eles, farinhas de frutas, legumes, raízes e grãos. Entre os benefícios que traz ao organismo estão o auxílio no emagrecimento, a diminuição do colesterol ruim e a prevenção do envelhecimento precoce. “Ao se misturarem com a água, as fibras solúveis formam uma espécie de gel no estômago que atrasa o esvaziamento gástrico e reduz a absorção de glicose e gorduras. Já as fibras insolúveis estimulam o bom funcionamento do intestino”, explica o nutrólogo Fabiano Robert, coordenador nacional do Projeto Nutrologia em Foco (Abran). No entanto, versões industriais do seca-barriga apresentam maior teor de proteína e sódio e, se consumidas em excesso, podem sobrecarregar os rins.

Samuel Gê/Encontro
A odontóloga Renata Coursin, 44 anos, usa termogênicos para otimizar a queima de gordura, mas também corre 10 km por dia, malha e faz dieta: "Não acredito em milagres. Termogênicos sozinhos não trazem resultados" (foto: Samuel Gê/Encontro)


A nutricionista clínica e esportiva Carolina Soares Freire explica que os suplementos termogênicos ou queimadores de gorduras, muito utilizados em academias, aceleram o metabolismo e ajudam a queimar a gordura armazenada como energia, principalmente na região abdominal. Isso acontece devido à combinação de substâncias químicas variadas, entre elas, a cafeína e a sinefedrina, que podem ser prejudiciais à saúde. “Por serem substâncias estimulantes, têm como efeitos colaterais o aumento da hiperatividade, insônia, taquicardia e irritabilidade. E, quanto maior a dosagem, maiores são os riscos”, diz.

O personal trainer Frederico Marques, de 27 anos, utiliza o queimador de gordura, mas com moderação. “Alio a prática de atividades físicas e dieta balanceada ao uso dos suplementos. Tudo acompanhado por especialistas de cada área e com check-ups médicos periódicos. Assim, mantenho a forma sem prejudicar minha saúde”, diz.

Roberto Rocha/Encontro
O personal trainer Frederico Marques, de 27 anos, usa o queimador de gordura com moderação e o acompanhamento de especialistas: "Assim, mantenho a forma sem prejudicar a saúde" (foto: Roberto Rocha/Encontro)


Para quem não quer correr riscos, a dica é investir na mudança de hábitos e nos alimentos naturais que possuem a função termogênica (ver quadro). Geradores de calor, eles deslocam a temperatura corporal e, consequentemente, fazem com que o organismo gaste mais energia para equilibrá-la novamente. A psicóloga Danielle Ramos, de 31 anos, é prova de que, com força de vontade, é possível manter a forma sem utilizar produtos químicos. Mãe de um garoto de 3 anos, eliminou os 18 kg conquistados durante a gravidez – com 1,75 m de altura chegou a pesar 85 kg – logo nos três primeiros meses após o parto, quando voltou aos usuais 67 kg. “Não é fácil, mas basta querer. Mantenho dieta equilibrada à base de frutas, legumes e verduras, corro 10 km por dia e malho três vezes por semana. Estou muito satisfeita com os resultados”, afirma Danielle. Os especialistas ainda indicam aquela clássica e simples equação para o emagrecimento: consumir menos alimentos calóricos e gastar mais energia, sem exageros e bem longe de modismos e dietas mirabolantes.

Editoria de Arte
(foto: Editoria de Arte)

Últimas notícias

Comentários