Conheça o 'refrigerante do bem' criado em Minas Gerais

Na verdade, trata-se de uma bebida láctea à base de soro de leite e rica em nutrientes

por Encontro Digital 10/08/2016 10:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Simi/Divulgação
O "refrigerante do bem", bebida láctea de baixo custo que utiliza leite e soro de leite, foi criado pela Epamig (foto: Simi/Divulgação)
Um "refrigerante do bem" é a grande novidade que poderá beneficiar quem não abre mão de se refrescar com este tipo de bebida, mas quer manter a saúde. O Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT), vinculado à Empresa de Pesquisa e Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) está desenvolvendo um produto lácteo carbonatado acidificado, inédito no mercado. A bebida é fabricada à base de soro de leite e leite, enriquecido com luteína, que confere mais valor nutricional em relação a outros laticínios, e não existe possui nenhum produto similar no mercado.

"Além de ser muito refrescante, se comparada às bebidas tradicionais, apresenta maior valor nutricional por veicular não apenas 'calorias vazias', mas proteínas, vitaminas e minerais, além de ser uma alternativa para aproveitamento racional e sustentável do soro de leite, considerado um produto nutritivo, altamente aceitável e com custo reduzido", diz Junio de Paula, pesquisador e coordenador da pesquisa na Epamig.

De acordo com o pesquisador, o soro do leite é muito rico nutricionalmente. O alimento possui cerca de 0,8 % de proteínas de alto valor biológico, em razão de sua composição, e tem alta concentração de aminoácidos essenciais com biodisponibilidade (facilmente absorvido pelo trato intestinal). "O soro constitui fonte de cálcio, sódio, magnésio, potássio e fósforo, além de conter a maior parte das vitaminas hidrossolúveis presentes no leite, sendo particularmente rico em vitaminas do complexo B", destaca Junio.

O prazo de validade estendido da bebida láctea é outro diferencial. "O produto pode durar até 90 dias sob temperatura ambiente ou refrigeração sem alteração das proteínas do leite", completa o pesquisador.

A bebida láctea acidificada desenvolvida na Epamig ILCT pode ser considerada um alimento funcional. Além de nutrir, traz benefícios à saúde porque é adicionada de luteína, um dos principais pigmentos maculares contidos na retina humana, sendo responsável por duas funções fundamentais: proteger a mácula (área da retina responsável pela visão de detalhes) contra o estresse oxidativo (função antioxidante) e filtrar a luz azul de alta energia, melhorando a acuidade visual.

Com isso, acredita-se que a luteína possa contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de catarata e de degeneração macular relacionada à idade.

Meio-ambiente

Como é feita com soro de leite proveniente da fabricação de diversos tipos de queijos, a bebida ajuda a eliminar um problema ambiental em relação a esse subproduto do leite, que, muitas vezes, é dispensado na natureza sem qualquer tratamento ou utilizado para alimentação animal.

"O processo de fabricação da bebida tem custo reduzido e não demanda grandes investimentos, podendo ser facilmente produzida e comercializada pelas pequenas indústrias de laticínios", observa Junio de Paula.

(com Agência Minas)

Últimas notícias

Comentários