Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Pílula do câncer só será distribuída se Anvisa comprovar efeito, diz ministro

Ricardo Barros explica que pediu agilidade da agência na comprovação dos efeitos da fosfoetanolamina


postado em 16/05/2016 17:31

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou nesta segunda, dia 16 de maio, durante visita à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), que, caso o resultado dos estudos sobre os efeitos da fosfoetanolamina, conhecida como pílula do câncer, não comprovarem sua eficácia, a droga não será incluída na Relação Nacional de Medicamentos e não será distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mesmo estando liberada por projeto de lei.

"A Agência Nacional de Vigilância Sanitária [Anvisa] está fazendo os estudos. Pedi agilidade à Anvisa não só nesse caso, mas em vários outros nos quais precisamos rapidamente aprovar medicamentos novos e princípios ativos. A Anvisa precisa nos garantir mais agilidade, com segurança e proteção ao consumidor", diz o ministro.

Por sua vez, o secretário estadual de Saúde de São Paulo, David Uip, informou que, assim que o laboratório responsável por produzir a fosfoetanolamina entregar o material, o governo paulista encapsulará rapidamente a droga e em prazo de seis meses já haverá resultados.

"É a primeira pesquisa que há e daqui a pouquíssimo tempo teremos os resultados definitivos", comenta Uip.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade