Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Fim de um mito: não é preciso comer mais no inverno

Especialistas mostram que isso é uma questão psicológica e dão dicas de alimentos saudáveis para a época mais fria do ano


postado em 21/06/2016 08:28

O maior consumo de alimentos durante o inverno, que é feito pela maioria das pessoas, tem a ver com uma questão cultural e não com uma "necessidade" do corpo, segundo uma especialista argentina. Ela explica que o que determina a procura por calorias é a atividade física e não a temperatura do ambiente.

"A ideia de que, por estamos no inverno, você tem que comer mais, é uma questão cultural. A necessidade de consumir mais calorias tem a ver com o nível de atividade que temos e não com a temperatura externa. Portanto, durante o inverno, as pessoas deveriam variar a alimentação e não aumentar o consumo de calorias", explica Mercedes Cetti, nutricionista do Hospital das Clínicas de Buenos Aires, em entrevista à agência de notícias argentina Télam.

Nesse contexto, a pesquisadora acrescenta: "O problema é que, no inverno, as pessoas se voltam para alimentos mais calóricos, tais como batatas, massas e chocolate, e reduzem a prática de atividade física. Esta combinação faz com que a maioria das pessoas ganhe peso durante o período de baixas temperaturas".

Para a especialista, é preciso saber escolher os alimentos e substituir os industrializados por produtos naturais. Se está com vontade de comer sopa, por exemplo, é melhor cozinhar os legumes do que usar um pacote de sopa instantânea, que é rica em sódio (sal). "Frutas e legumes são sempre fundamentais na comida. Quanto mais cores consumimos, maiores os benefícios para nosso organismo", diz Mercedes.

Quem concorda com a necessidade de se manter um hábito saudável no inverno é Teresa Coccaro, chefe do departamento de Nutrição do Instituto de Neurociências Buenos Aires. "Durante o inverno, é recomendado o consumo de duas frutas por dia: uma deve ser cítrica, que é rica em antioxidantes e ajuda o sistema imunológico; a outra, não têm, necessariamente, de ser fresca, podendo ser consumida em forma de compota ou seca", esclarece a especialista.

Já em relação aos legumes, Coccaro afirma que "devemos dar preferência aos da época, que podem ser cozidos e usados em saladas". "A ideia é cozinhar o mínimo possível os alimentos, para evitar a perda das propriedades benéficas. Se for o caso, use vapor. Você também pode comer os legumes em forma de mousse, purê ou suflê, como acompanhamento para frango, peixe ou carne vermelha".

Vale dizer que entre os legumes e as verduras mais encontrados no inverno estão a abóbora, a beterraba, a abobrinha, a berinjela, a acelga, o espinafre, o brócolis, a couve-flor e a cenoura.

Outra recomendação feita pelos especialistas é o consumo de frutas secas. "Apesar de serem calóricas, elas ajudam na ingestão de gordura boa e na sensação de saciedade. as frutas secas podem servir de lanche no meio da manhã ou na parte da tarde", afirma Mercedes Cetti.

(com Agência Télam)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade