Morador encontra pedaço gigante de manteiga de 2 mil anos na Irlanda

A curiosa descoberta se deu numa região de pântano em Drakerath

por João Paulo Martins 15/06/2016 10:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cavan County Museum/Reprodução
Esse pedaço de rocha, na verdade, é uma manteiga de 2 mil anos, que foi encontrada num pântano da Irlanda por um morador (foto: Cavan County Museum/Reprodução)
Quando Jack Conway, morador do condado de Cavan, na Irlanda, estava trabalhando com seu cortador de grama, no dia 10 de junho deste ano, não podia imaginar que faria uma descoberta arqueológica impressionante. Escondido a quase 4 m de profundidade num pântano da região de Drakerath, o pedaço de manteiga de 2 kg foi encontrado por Jack, que logo reconheceu o alimento antigo e o levou para o Museu do Condado de Cavan. Os especialistas disseram ao irlandês que se tratava de um bloco de manteiga de cerca de 2 mil anos.

Apesar de parecer estar escondido na terra, o material, na verdade, pode ter sido fruto de algum ritual religioso ou místico, muito comum na época. Aliás, esse tipo de manteiga era considerado um artigo de luxo e costumava ser usada até para pagamento de tributos.

Segundo o museu de Cavan, o local em que a manteiga foi encontrada, em Drakerath, há 2 mil anos, podia ser considerado uma "terra de ninguém". "Esses pântanos, na época, eram inacessíveis e misteriosos. O material foi achado no lugar que correspondia à junção de três reinos celtas. Portanto, em termos políticos, não havia nenhum 'dono' desse terreno", explica Andy Halpin, responsável pelo setor de antiquidades irlandesas do museu, em entrevista ao jornal local Irish Times.

A manteiga milenar já foi enviada ao Museu Nacional da Irlanda para ser analisada e datada com carbono 14. Apesar de ter ficado tantos anos escondida debaixo do pântano e ter o cheiro de um "queijo podre", ela chegou a ser experimentada pelo chef irlandês Kevin Thornton (uma celebridade do país), que a considerou comestível, mesmo não recomendando seu consumo. Vale lembrar que o terreno contribuiu para a conservação do material, devido à baixa temperatura, ao baixo índice de oxigênio e à alta acidez, típicos dos pântanos irlandeses.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários