Após polêmica, 'assalto' a Gisele Bündchen é retirado da abertura da Rio 2016

O ensaio realizado no domingo, dia 31 de julho, havia mostrado a cena estranha, que revoltou os internautas

por Encontro Digital 02/08/2016 13:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Instagram/gisele/Reprodução
Gisele Bündchen faria uma participação polêmica na cerimônia de abertura da Rio 2016: uma cena que envolveria um suposto assalto. Porém, após reclamação dos internautas, essa parte foi retirada da apresentação (foto: Instagram/gisele/Reprodução)
Vem geerando muita polêmica nas redes sociais a notícia sobre uma possível cena de "assalto" a Gisele Bündchen durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Embora a organização do espetáculo esteja fazendo de tudo para manter em segredo os detalhes da apresentação, marcada para a próxima sexta-feira, no estádio do Maracanã, algumas partes do show já foram reveladas no ensaio de cinco horas realizado no domingo, dia 31 de julho. Um dos momentos da cerimônia da Rio 2016 traria a principal modelo brasileira sendo abordada por um vendedor de biquínis em plena passarela, que seria confundido com um assaltante pela polícia.

Apesar da intenção de passar uma mensagem de paz, uma vez que o rapaz seria protegido por Gisele após ser perseguido pelos policiais, boa parte do público demonstrou grande descontentamento com a opção dos organizadores, considerada de péssimo gosto.

"Enquanto a dona Gisele Bündchen é assaltada de brincadeira na abertura da Olimpíada, brasileiras são assaltadas de verdade pelo país", reclama o usuário Guilherme Macalossi no Twitter.

Na noite de segunda, dia 1º de agosto, após muita discussão na internet, os responsáveis pela abertura das Olimpíadas decidiram retirar a polêmica cena do "assalto" do show, segundo revelou o jornal O Globo.

"O 'assalto' a Gisele Bündchen será retirado na cerimônia de abertura da Olimpíada", diz o colunista do O Globo, Lauro Jardim, usando sua conta oficial no Twitter.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários