Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Suplemento de melatonina realmente ajuda contra o envelhecimento precoce?

Além disso, o hormônio supostamente previne o Mal de Alzheimer. Especialista comenta essa questão


postado em 25/08/2016 08:42

Você já deve ter ouvido falar que a melatonina, hormônio produzido pela glândula pineal, situada na parte central do cérebro, tem grande participação numa boa noite de sono. Afinal, a função básica dela é regular os ritmos do nosso corpo, chamado de relógio biológico (ciclo circadiano). Mas, recentemente, a substância também passou a ser associada ao retardo do envelhecimento e à prevenção do Mal de Alzheimer.

Essas constatações foram feitas por cientistas. O pesquisador russo Vladimir Dilman, do Instituto de Pesquisa Experimental de São Petersburgo, que acrescentou gotas de melatonina na água de ratos de laboratório. Os animais viveram 25% mais do que o esperado. Outros pesquisadores da Universidade de Barcelona alimentaram cobaias com uma dose diária de melatonina e observaram que o experimento retardou a evolução do Mal de Alzheimer.

Faltam provas

Apesar das pesquisas, o médico Paulo Augusto Miranda, diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia em Minas Gerais, não confirma o poder do suplemento melatonina em retardar o envelhecimento e prevenir o Mal de Alzheimer. "Não indicaria o hormônio para estes fins, por falta de evidências científicas", enfatiza o especialista.

Atuação

Geralmente, a melatonina é sintetizada à noite. A presença de luz impede a produção do hormônio. A ação reguladora da substância tem como consequência a organização do sono. Quando atingimos a idade de 55 anos, a melatonina tem sua produção reduzida, resultando no processo de envelhecimento.

Proibição

A venda de melatonina no Brasil é proibida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), embora seja possível adquirí-la la em vários sites na internet, por meio da importação. Segundo a Anvisa, a restrição acontece porque nenhuma empresa solicitou o registro de um medicamento com a substância no país.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade