Cientistas descobrem planeta com chuva de rubis e safiras

O exoplaneta HAT-P-7b é gasoso, extremamente quente e possui nuvens que formam gotas de pedras preciosas

por Encontro Digital 14/12/2016 16:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nasa/ESA/G. Bacon/Divulgação
Concepção artística mostra o exoplaneta HAT-P-7b que, segundo os astrônomos da Universidade de Warwick, possui nuvens compostas por safiras e rubis (foto: Nasa/ESA/G. Bacon/Divulgação)
Durante as "madrugadas" do exoplaneta HAT-P-7b costuma chover muito, mas não como acontece na Terra. De acordo com um artigo publicado na revista científica Nature Astronomy, as "gotas" de chuva, neste caso, são formadas por rubis e safiras. "Conseguimos analisar como se reflete a luz na atmosfera do HAT-P-7b e como ela muda constantemente. No lado escuro formam-se nuvens que são transportadas pelos ventos fortes para o lado iluminado, onde evaporam. Este é o primeiro registro da existência de clima fora do Sistema Solar", diz David Armstrong, astrônomo da Universidade de Warwick, na Inglaterra, e um dos autores do estudo.

Como o HAT-P-7b se encontra a mil anos-luz de nós, o estudo de sua atmosfera não pode ser realizado com precisão. A forma usada pelos cientistas para se chegar a uma conclusão sobre o que se passa nesse corpo celeste é por meio da análise do brilho emanado por ele. O espectro da luz ajuda a entender o que se passa na atmosfera e sua composição.

Armstrong e os demais pesquisadores usaram o telescópio espacial Kepler para analisar o exoplaneta durante quatro anos, o que permitiu chegar a um estudo detalhado das variações de brilho, espectro de luz e outras características do gigante gasoso. O planeta HAT-P-7b, ou Kepler-2b, é muito parecido com Júpiter, mas é extremamente quente, devido à sua proximidade com a estrela que orbita. Sua temperatura passa dos 2.500º C no lado iluminado e chega a 1300º C no lado escuro.

A descoberta de gigantes gasosos impulsionou a investigação dos cientistas sobre a composição exótica de suas atmosferas. Por exemplo, nos últimos anos, foram descobertos planetas com nuvens compostas por chumbo e vidro, atmosferas de metais vaporizados e rochas e ventos que sopram, em alguns casos, numa velocidade supersônica.

De acordo com o artigo científico, as nuvens do HAT-P-7b são compostas de corindo, ou coríndon, mineral à base de óxido de alumínio, que é imprescindível na formação de rubis, safiras e outras pedras preciosas. Por isso foi possível supor que no lado escuro do exoplaneta, nas camadas mais baixas da atmosfera, as nuvens são formadas por "gotas" de rubis e safiras.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários