Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Antes mesmo de tomar posse, Trump pressiona Ford e General Motors para investirem nos Estados Unidos

Como resultado da pressão do novo presidente dos EUA, Ford deixará de investir US$ 1,6 bilhão em sua fábrica no México


postado em 04/01/2017 11:27

Antes mesmo de tomar posse como 45º presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump fez uma ameaça direta às montadoras americanas Ford e General Motors (GM). Ele quer que elas mantenham seus investimentos no país e que passem a pagar altas taxas de importação de veículos. Durante a campanha presidencial, o polêmico magnata do ramo de imóveis já havia anunciado que quer forças as empresas americanas que estão produzindo no exterior, especialmente na China, a fabricarem nos EUA.

A pressão feita por Trump já está surtindo efeito. A Ford, que iria investir US$ 1,6 bilhão de dólares (cerca de R$ 6 bilhões) em sua fábrica no México, já mudou de ideia. Agora, a montadora responsável por veículos como a picape Ranger e o sedã Fusion, decidiu mudar os planos e vai investir US$ 700 milhões (R$ 2,2 bilhões) em sua planta que fica no estado do Michigan (EUA). O intuito, segundo a montadora é valorizar a pesquisa e a produção de carros elétricos e autônomos.

Mesmo com as ameaças econômicas proferidas pelo magnata, as montadoras americanas não se pronunciaram sobre o tema e se mostram "confiantes" no governo de Donald Trump. Uma prova disso é a fala de Mark Fields, presidente-executivo da Ford, em pronunciamento realizado na segunda, dia 3 de janeiro. "Estamos animados com os planos de crescimento previstos pelo presidente eleito Trump e pelo novo Congresso", afirma o executivo.

Como a Ford e a GM produzem seus veículos no México e os importam para os EUA sem pagar taxas, isso faz com que os modelos tenham preços mais atraentes nas concessionárias americanas. Porém, essa atitude, totalmente comum no mercado globalizado, não é bem vista por Trump. "General Motors envia o modelo Chevrolet Cruze do México para as concessionárias dos EUA sem pagar taxa alfandegária. Fabrique nos EUA ou pague um imposto elevado!", ameaça o republicano em publicação feita em sua conta oficial no Twitter, no dia 3 de janeiro.

Especialistas acreditam que as medidas protecionistas que serão adotadas pelo governo do polêmico magnata poderão fazer com que os preços dos veículos produzidos no exterior e importados para os Estados Unidos fiquem mais caros para o consumidor final. Como resultado, a redução no consumo deve afetar diretamente a economia americana. Porém, as montadoras não comentaram a possibilidade de deixar de importar seus veículos e se isso alteraria o valor dos mesmos no mercado americano.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade