Especialista diz que chance de a febre amarela chegar às cidades é muito baixa

Nos últimos 75 anos, de acordo com ele, não houve casos de infecção por febre amarela em centros urbanos

por Encontro Digital 20/01/2017 16:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
O mosquito transmissor da febre amarela nas matas é diferente do que infecta as pessoas nos centros urbanos. Nas cidades, o responsável é o Aedes aegypti, que já transmite a dengue e o zika vírus (foto: Pixabay)
Os brasileiros, em especial os mineiros, estão assustados com a rápida expansão do surto de febre amarela em Minas Gerais. Segundo a secretaria de estado de Saúde, já foram registrados 206 casos suspeitos da doença no território mineiro, sendo 34 confirmados e 23 que levaram os doentes à morte. Além de Minas, a febre amarela também foi registrada em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, causando o primeiro óbito confirmado da doença nos últimos 30 anos.

Com o aumento dos casos relacionados à essa grave virose, que é comum em áreas rurais, com florestas, no interior do Brasil, a grande preocupação é saber se existe risco da doença chegar aos centros urbanos. "Acontece que, ciclicamente, de oito a 10 anos, a gente percebe um período de circulação do vírus da febre amarela em primatas não humanos, ou seja, nos macacos. É o que está acontecendo, agora. Chamamos de epizootia [quando uma doença se espalha rapidamente entre animais], meste caso, um surto epidêmico da febre amarela em animais, nos macacos. Como o vírus está circulando entre os animais, se uma pessoa entrar em contato com uma área de mata, onde exista o mosquito infectado, se ele picar o ser humano, que não for vacinado, há condição para a doença se instalar", diz Benedito Lopes da Fonseca, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP.

O especialista alerta que, apesar de não ter ocorrido nos últimos 75 anos, existe, sim, uma possibilidade remota de a febre amarela chegar aos centros urbanos. "A gente sempre fica preocupado quando surgem casos em humanos, porque existe a possibilidade da urbanização da febre amarela. Mas, na cidade, ela é transmitida por um mosquito diferente do que se torna infectado na mata. Na cidade, são os mosquitos do gênero Aedes. É o mesmo que transmite a dengue. Como essa doença é muito comum e, consequentemente, temos muitos mosquitos Aedes, então, existe, sim, a possibilidade de urbanização", esclarece Benedito Fonseca.

Apesar desse risco, o professor da USP tranquiliza a população, pois, segundo ele, as medidas tradicionalmente tomadas para a contenção da doença costumam ser muito eficazes, ainda mais se forem feitas de forma rápida. Além disso, o especialista lembra que, uma dessas medidas, é justamente a vacina contra a febre amarela, que é "segura e extremamente eficiente".

Vale lembrar que os casos da doença em Minas Gerais estão concentrados nos vales dos rios Mucuri e Doce. As mortes relacionadas à febre amarela foram registradas nas seguintes cidades: Ladainha (7), Piedade de Caratinga (2), Ipanema (3), Malacacheta (2), Imbé de Minas (1), São Sebastião do Maranhão (2), Frei Gaspar (1), Itambacuri (2), Poté (1), Setubinha (1) e Teófilo Otoni (1).

Últimas notícias

Comentários