Pesquisa mostra que brasileiros são o quarto povo mais pessimista em relação ao próprio país

Nós estamos atrás apenas dos sul-africanos, sul-coreanos e dos italianos, acredita?

por Encontro Digital 25/01/2017 17:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
Segundo pesquisa da Ipsos, 57% dos brasileiros estão pessimistas em relação ao nosso país (foto: Pixabay)
Pesquisa realizada pela instituto Ipsos Public Affairs em 22 países revela que o brasileiro é o quarto mais pessimista em relação ao seu próprio país. Os mais céticos são os moradores da África do Sul (77%), seguidos pelos sul-coreanos e pelos italianos, empatados em segundo lugar (73%). Os mais otimistas, por sua vez, são os indianos (22%) e os canadenses (38%).

A pesquisa, intitulada O Sistema Está Quebrado?,  revela que para 57% dos brasileiros, o modelo de governo faliu, e que mais da metade da população mundial acredita que seu país está em declínio. A enquete, que tem margem de erro de 3,5 pontos percentuais, ouviu 16.096 pessoas de 18 a 64 anos nos Estados Unidos e no Canadá e de 16 a 64 anos nos demais países: África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Coreia do Sul, Espanha, França, Grã-Bretanha, Hungria, Índia, Israel, Itália, Japão, México, Peru, Polônia, Suécia e Turquia.

Para Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs, o brasileiro já vem demonstrando desconfiança em relação ao futuro do Brasil há pelo menos dois anos, quando a crise econômica e o desemprego ganharam mais força e a inflação passou a "corroer" o poder de compra. "Em paralelo a isso, tivemos a Lava Jato, expondo as entranhas da corrupção no governo, demonstrando como isso está disseminado em relação a partidos e políticos. Em outras pesquisas da Ipsos a gente vem monitorando a aversão do brasileiro em relação a partidos e políticos. Cerca de 80% dos brasileiros não confiam em partidos e em políticos. Isso tudo, na verdade, é uma grande desconfiança em relação aos nossos líderes e às nossas instituições", diz o diretor da Ipsos.

Segundo Cersosimo, esse é um sentimento global que tem maior ou menor incidência em alguns países e está ligado ao declínio da economia global desde 2008. Em alguns países, segundo ele, esse sentimento tem sido mais forte. Os grandes exemplos são a saída do Reino Unido da União Europeia e a eleição do Donald Trump, que refletiriam o grande descontentamento das pessoas com o sistema político-econômico tradicional.

"Se você olha para esses países que tem maior disposição a líderes fora da política tradicional, eles têm vivido com questões mais extremas, caso da França, com a imigração, e Israel, com a questão histórica com a Palestina. São atritos muito mais profundos do que meramente uma crise econômica",  Danilo diz Cersosimo.

Em relação à percepção da globalização, a pesquisa da Ipsos aponta que o Brasil está no meio desse ranking: 44% dos entrevistados acreditam que o fenômeno é mais positivo do que negativo. "A Europa vem passando por uma crise que não é de consumo, talvez esteja mais situada quando a gente olha para índices de desemprego entre os jovens. Em alguns países da Europa isso é muito acentuado. França e Itália são emblemáticos, onde o discurso xenófobo mais conservador ganhou muito mais força do que na América Latina. No caso do Brasil, nós já estivemos mais otimistas com o futuro. Há 10 anos o brasileiro via o futuro mais otimista e por conta disso acredita que seus filhos terão uma perspectiva pior, mas essas coisas podem mudar conforme o contexto vai mudando", comenta o diretor da Ipsos Public Affairs.

(com Agência Sputnik)

Últimas notícias

Comentários