Publicidade

Estado de Minas SAúDE

Tratar feridas de forma adequada é essencial para a saúde

Ferimentos mais graves, se não tratados corretamente, acarretam em graves problemas, incluindo a morte


postado em 02/01/2017 18:49

É muito comum que, no dia a dia, tenhamos algum tipo de ferimento que, na maioria das vezes, cicatrizam sem necessidade de intervenção médica. Alguns ferimentos, porém, são mais difíceis de serem tratadas e podem evoluir para quadros graves – são as chamadas feridas complexas.

A ferida complexa pode ser aguda ou crônica. Uma ferida é classificada como aguda quando é causada por um trauma como queimadura, fratura extensa de osso ou complicações cirúrgicas. Já a crônica tem uma duração superior a quatro meses e, geralmente, está associada a uma doença. "O pé diabético [infecção e problemas de circulação], a úlcera vasculogênica [nas extremidades das pernas] e a úlcera por pressão [lesão de pele causada por interrupção sanguínea local] são feridas crônicas", exemplifica a enfermeira Viviane Fernandes de Carvalho, especialziada em estomaterapia – ramo da Enfermagem que trabalha com feridas, estomias (orifícios criados para retirada de fezes e urina do corpo) e incontinências.

Caso não sejam tratadas adequadamente, as feridas complexas podem evoluir, levando à amputação do membro acometido pela lesão, à infecção generalizada e, em casos mais extremos, até mesmo à morte. Para prevenir a evolução do ferimento, é preciso ficar atento ao processo de cicatrização. "Se houver piora do odor e/ou aspecto da lesão, como uma 'capa' negra ou amarela intensa, aumento do volume de secreção, borda da ferida quente e avermelhada, e febre, é preciso procurar tratamento em um serviço de saúde. Apenas um profissional poderá fazer o diagnóstico correto e indicar o tratamento mais assertivo", orienta a especialista.

O tratamento para feridas complexas varia de acordo com a lesão e a região do corpo em que estão localizadas. "De maneira geral, primeiramente, é preciso verificar a origem do problema. No caso do pé diabético, por exemplo, o nível glicêmico do paciente deve ser estabilizado para contribuir para a cicatrização da ferida. Dependendo do grau da lesão, pode ser indicada a terapia por pressão negativa, que, por meio da assepsia da ferida, do controle da umidade no local e da drenagem de fluidos, promove melhora do ambiente celular e acelera o fechamento da ferida. Em associação, podem ser indicados curativos para feridas complexas com substâncias que contribuem para a cicatrização, como o colágeno", explica Viviane Carvalho.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade