Anvisa proíbe venda do anticoncepcional Essure

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o contraceptivo é de alto risco para as mulheres

por Encontro Digital 21/02/2017 16:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Bayer/Divulgação
O Essure, sistema que funciona como anticoncepcional, acaba de ser proibido no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) (foto: Bayer/Divulgação)
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisou relatórios técnico-científicos e tirou de circulação o anticoncepcional Essure, registrado pela empresa Comercial Commed Produtos Hospitalares Ltda e produzido pela farmacêutica alemã Bayer.

Segundo a agência fiscalizadora, esse método contraceptivo é classificado como risco máximo. "Pode provocar alterações no sangramento menstrual, gravidez indesejada, dor crônica, perfuração e migração do dispositivo, alergia e sensibilidade ou reações do tipo imune e, por isso, foi classificado como de risco máximo", diz o texto publicado no site da Anvisa.

Com isso, foi determinada a suspensão da importação, da distribuição e comercialização, do uso e da divulgação do produto em todo o território nacional.

O Essure é um mecanismo feito de titânio e níquel, que é implantado no início da tuba uterina, que se expande com o tempo e obstrui as trompas em até 90 dias. Segundo a assessoria de imprensa da Commed informou ao site da revista Veja, o anticoncepcional estava aprovado desde 2009 no Brasil. "Sua eficácia e segurança foram comprovadas por inúmeros estudos nacionais e internacionais", comenta a nota. Além disso, a empresa se diz "surpresa" com a decisão da Anvisa e que está apurando os motivos que levaram à suspensão do produto.

A Bayer não se pronunciou sobre a proibição do contraceptivo.

Últimas notícias

Comentários