Henrique Meirelles anuncia que aposentadoria será diferenciada entre homens e mulheres

Para o trabalhador, a idade será de 65 anos, enquanto para a trabalhadora, de 62

por Encontro Digital 18/04/2017 11:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação
Segundo o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, a proposta de reforma da Previdência deve trazer 62 anos como idade para as mulheres aposentarem e 65 para os homens (foto: Antônio Cruz/Agência Brasil/Divulgação)
O ministro da Fazenda Henrique Meirelles disse nesta terça, dia 18 de abril, que o projeto de reforma da Previdência Social trará uma diferenciação na idade mínima para aposentadoria de homens e mulheres. "Não há definição ainda, na medida em que o relatório será apresentado amanhã [19], mas a visão do relator é algo que se situa ao redor de 62 anos [para as mulheres; 65 anos para os homens]", afirma o ministro.

A mudança deve constar do substitutivo elaborado pelo relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), que altera o texto original enviado pelo governo. A proposta original do executivo prevê que as mulheres poderiam ter acesso ao benefício da aposentadoria a partir dos 65 anos, mesma idade dos homens. A equiparação gerou a reação de vários setores e motivou intensa negociação entre governo e parlamentares. O parecer do relator deve ser lido na quarta, dia 19 de abril, na comissão especial da Câmara Federal que debate o tema.

O pronunciamento de Henrique Meirelles se deu após uma reunião com o presidente Michel Temer, com outros ministros e com deputados da base aliada do governo, no Palácio da Alvorada, na manhã desta terça (18). Segundo Meirelles, as mudanças que estão sendo negociadas com o Congresso são necessárias para viabilizar a aprovação de um projeto que assegure a eficiência e eficácia fiscal da reforma. Disse, ainda, que todas as mudanças já estão precificadas e o governo espera que a reforma se aproxime 80% da proposta original.

"Portanto, é um reforma que está dentro dos parâmetros que nós definimos como importante para que o equilíbrio fiscal do país seja restabelecido e, portanto, a negociação é da maior relevância", comenta o ministro.

Parecer do relator

A diferenciação na idade mínima entre homens e mulheres também foi incluída pelo relator nas regras de transição. Segundo o relatório preliminar, não há corte de idade para entrar na transição e, neste período, o limite de idade para se aposentar é de 53 anos para a mulher e 55 para o homem.

O chamado pedágio sobre o tempo de contribuição durante a transição seria de 30% e não 50% como proposto inicialmente. O deputado Arthur Maia reduziu também de 49 para 40 anos o tempo máximo de contribuição para o trabalhador receber o benefício integral da aposentadoria.

Se o trabalhador exerce atividade considerada de risco, o tempo total pode ser reduzido para 35 anos.

Para os trabalhadores rurais, a idade mínima para se aposentar foi alterada de 65 para 60 anos, com 20 anos de contribuição, em vez de 25 como proposto originalmente pelo governo. A alíquota de contribuição do trabalhador rural também deverá ser reduzida, não podendo exceder 5%, como é feito com o trabalhador urbano de baixa renda.

Segundo a proposta do relator, professores e policiais poderão se aposentar aos 60 anos, com 25 anos de contribuição e 20 anos de exercício de atividade de risco. O relator manteve a proposta de inclusão dos parlamentares no regime geral da Previdência, com a previsão de aposentadoria a partir dos 60 anos.

(com Agência Brasil)

Últimas notícias

Comentários